Instagram

https://www.instagram.com/entretelasblog/

terça-feira, 24 de maio de 2022

Pantanal: A força da ficção no coração do Brasil

 


                                                                                              Para Michel, meu amor[i]

 

Devo começar dizendo que vi a primeira versão de Pantanal em 1990 e que me lembro de muitas coisas daquela época longínqua, mas devo dizer mais, estou vendo verdadeiramente agora a força dessa história e o caudaloso rio e todos os afluentes que a compõem e devo dizer mais ainda: Ela está conquistando novamente um público cativo e sedento por boas novelas e novos telespectadores que já tinham abandonado a telinha e outros tantos jovens que estão saboreando esse biscoito fino pela primeira vez.

A força da trama reside, sobretudo, no choque de dois mundos. Um marcado pela natureza, o outro pela cultura. Um marcado pelo Pantanal, ambientes abertos e sua exuberância. O outro pelo Rio de Janeiro, seus espaços fechados e sua endogenia. Num vigora um certo código de ética. Noutro, as relações são vazias. E esses dois mundos se encontram e se chocam através do malfadado casamento de Zé Leôncio e Madeleine e no fruto cruzado dessa relação difícil: José Joventino, Jove, símbolo da intersecção desses dois mundos. Filho sempre deslocado onde quer que esteja, aqui ou lá, lá ou aqui. No Rio ele não é o mauricinho esperado, no Pantanal ele não é o peão desejado. Observem o guarda-roupa dele com suas camisetas panfletárias (Maio de 68, universo Rock and Roll e outras mensagens) e gastas, sua voz vacilante e seu olhar perdido magistralmente vivido pelo Jesuíta Barbosa.

Vale lembrar que Jove, apelido herdado como diminutivo do nome do avô, é um dos nomes de Júpiter, o correspondente romano de Zeus, Deus pai para os gregos, e que a trama também circula em torno da figura paterna, sempre problemática e em busca de um ideal. Tadeu, o bastardo, sofre com sua condição de filho reserva, José Lucas de Nada e sua procura, Guta que repele a figura do pai ruim, Muda que quer vingar a morte do dela, e no centro de tudo José Joventino, José Leôncio e Jove, o trio que costura a narrativa.

 E o universo mítico não para por aí, vejamos o reflexo de Caronte em Eugênio, Almir Sater virtuoso,  que protagonizou uma bela cena de viola também de pai para filho, um rito de passagem mágico ou tantas lendas ribeirinhas dos encantados que tanto nos encanta. Observe que é uma novela lenta com cenas longas e muitas paisagens, narrada em um tempo mais contemplativo que da ação propriamente. E vamos seguindo seu fluxo. Os espaços são relevantes na condução da história. As cenas da família do Rio, sempre são antecedidas pela imagem da casa que se apresenta em franca decadência assim como aquele clã que só se relaciona entre si e lutam para manter o nome que já nada diz, tudo muito outonal. No Pantanal, as frentes da casa sempre aparecem também, mas de forma solar, com promessas de primavera.

O Pai Maior, assim chamemos José Joventino, abandona a cultura e se integra na natureza, dando vida à fantástica personagem do Velho do Rio, uma figura incontornável, enigmática, que encarna o arquétipo do Mentor, não há adjetivos para Irandhir e  Osmar Prado em suas atuações. Quando o Véi entra em cena, nós aqui do outro lado da tela, também o reverenciamos e recebemos seus conselhos. Os ecos do conto A terceira margem do rio de Guimarães Rosa são evidentes, aliás, quem foi mais gênio que ele em pintar o metafísico no coração do Brasil. Seu herdeiro José Leôncio, Marcos Palmeira nosso matuto dos bons, se embrutece, mas não muito, a fim de fazer fortuna e deixar para seu sucessor aquele império de terras e gado, mas Jove não quer nada disso, e nem sabe o que quer de verdade e por isso  é questionado, reeducado e meditativo todo o tempo. Três homens do mesmo sangue muito próximos e muito distantes.

E nesse conflito nasce o amor pujante de Jove e Juma Marruá (linda e talentosa Alanis), a “menina só natureza” que desconhece os meandros da cultura e age por instinto (na infância ela e a mãe se cheiravam como os bichos fazem), e os dois vão dando aula um para o outro sobre o seu mundo e construindo um casal improvável na cultura e possível na natureza. Mais uma vez o amor se dá entre natureza e cultura, é sina do pai e do filho amar mulheres de mundos diferentes. As cenas da alfabetização de Juma por Jove são de rara beleza e pureza, assim como ela o ensinando a caçar, além das lições de aprendizagem amorosa que são tanto sensuais quanto ingênuas. Um amor e uma cabana é possível? Veremos sem pressa...

Outro aspecto de destaque nesse remake de Pantanal reescrito por Bruno Luperi, neto de Benedito Ruy Barbosa (Pai Maior) é a atualização de alguns discursos como as questões relacionadas à ecologia, ao agronegócio, ao feminismo e afins, mas sem pesar a mão porque se for didático demais cai na panfletagem e acho que o Brasil está gostando e precisando muito é de ver mulher virar onça, velho virar sucuri, casal se amando no rio e moda de viola ao luar. Vale lembrar que a novela presta homenagem ao seu criador em alguns momentos, as camisas de Tadeu trazem o nome Mezenga (Rei do gado) e a avó de José Lucas, é a cafetina Jacuntiga ( Renascer), além do elenco de atores que sempre trabalha em suas tramas que têm por mote o universo rural, o chamado Brasil Profundo.

Antes de acabar essa prosa, devo dizer que as tramas secundárias também nos enredam, quem não está torcendo pela virada de Maria Bruaca, ou para saber do desenredo de Muda, ou apaixonado pela bondade e sabedoria de Filó, sempre a sovar a massa da vida (Dira Diva) e tantos outros pormenores que tornam a obra grande como os rebanhos de Zé Leôncio...Ara...Já ia me esquecendo de um pormenor dos melhores, Renato Teixeira, dando vida ao personagem vivido por seu filho na primeira fase, cantando a amizade no momento de sua morte, bonito demais e a gente não se cansa de ouvir de novo e de novo, eu tenho um cavalo preto....E como a novela é linda, louvemos a amizade, esse sentimento mais lindo do  mundo...A ficção e os amigos têm me ajudado a sobreviver:

Amizade Sincera - Renato Teixeira

 

A amizade sincera

É um santo remédio, é um abrigo seguro

É natural da amizade

O abraço, o aperto de mão, o sorriso

Por isso, se for preciso

Conte comigo, amigo, disponha

Lembre-se sempre que, mesmo modesta

Minha casa será sempre sua

Amigo

Os verdadeiros amigos

Do peito, de fé, os melhores amigos

Não trazem dentro da boca

Palavras fingidas ou falsas histórias

Sabem entender o silêncio

E manter a presença mesmo quando ausentes

Por isso mesmo, apesar de tão raros

Não há nada melhor do que um grande

Amigo, amigo, amigo...

 

 



[i] Meu grande amado que se encantou há dois meses e, dentre tantos momentos especiais que dividimos, assitir ás novelas das 9 juntos era sagrado, em 1990 começamos a namorar e como Juma e Jove nos ensinamos muito mutuamente...

sábado, 23 de abril de 2022

Medida Provisória 1888/2022: Suspensão temporária da descrença

 

Na última quinta-feira, 21 de abril, dia simbólico na História do Brasil, após mais de dois anos sem ir ao cinema, me permiti o presente vivificante de assistir ao brilhante Medida Provisória. Cinema lotado aqui na minha Feira de Santana, repleta de jovens de todas as idades, inclusive meu filho, sobrinhas e muitos rostos conhecidos e comungantes daquele banquete. Por quase duas horas experimentamos a gloriosa “Suspensão temporária da descrença” cunhada por Coleridge sobre a magia da literatura.

A plateia estava atenta e sedenta por uma boa história e a encontrou. O que começa como uma aparente comédia de costumes evolui para um eletrizante thriller com notas de trama policial e de aventura, mas preservando aquele humor irônico que apreciamos e que desafia nossa reflexão para o ontem e o hoje e nos faz engasgar com a pipoca ou com o papel da Fruitella (feita para fruir a tela) no meu caso

O filme é uma adaptação do livro e peça de teatro do ator e dramaturgo baiano Aldri Anunciação, Namibia, Não (2012), rosto familiar para nós que prestigiamos a Rede Bahia e que agora será visto por milhares,  merecendo todos os prêmios. Com direção de Lázaro Ramos (também dirigiu a peça acerca de dez anos) e presença de grande elenco (e elenco grande, inclusive do próprio Aldri, como Ivan, personagem chave na trama) e equipe de mais de 800 pessoas com trabalho direto e indireto. A narrativa retrata uma distopia na qual, em pleno 2021 ou 2022, o governo brasileiro aprova uma medida provisória que decreta que todos os “melaninados” retornem para a África como uma espécie de política de reparação pelos 400 anos de escravidão.

A trama tem por protagonistas um trio, dois primos e a esposa de um deles, o jornalista André, o advogado Antônio e a médica Carolina/Capitu, vividos respectivamente por Seu Jorge, Alfred Enoch e Taís Araújo que emprestam seu corpos e almas aos papeis. Uma família negra que vive em um prédio de brancos, onde o único outro negro é o porteiro. Aqui, vale destacar que o termo protagonista é mesmo explorado com a força de sua etimologia, esses três serão aqueles que primeiro lutam e resistem, os dois desde o princípio e ela, na medida em que toma consciência de seu papel social sufocado sob o jaleco.

Destacamos que os nomes dos três aludem ao século XIX, os abolicionistas negros, o engenheiro André Rebouças, o advogado e poeta Luiz da Gama, ambos  jornalistas combativos, e nossas personagens ficcionais A Moreninha e a nossa cigana oblíqua e dissimulada (faz muito sentido na evolução da personagem, de romântica à realista). Ressalte-se que, em paralelo aos protagonistas, todo elenco brilha em cenas de qualquer tamanho, às vezes apenas com um olhar, uma fala, um gesto, um silêncio eloquente ou em uma marcha coletiva.

A trama é muito rica em detalhes e referências que vão se costurando em nossa frente. Acredito que o grande estalo criativo da obra é a reprodução do tempo passado no presente. Cenas coloniais ligadas à geografia da escravidão como a captura violenta (vide Pai contra Mãe de Machado de Assis), a fuga para as matas, o afrobunker em lugar dos quilombos, acontecem na paisagem urbana do Rio de hoje. Bem como cenas do século XX e até de nosso passado bem recente são reproduzidas numa espécie de espelhamento atemporal.

A gramática da Ditadura Militar está toda posta no Ministério da Devolução (Que nome e que ministro!), nos porões, nos arquivos, nas portas fechadas, no discurso dissimulado que faz parecer que um absurdo é uma dádiva, na votação da câmara (“pelo meu país, pela minha família” XX E XXI). Essa dança cronológica enriquece muito o universo distópico e mostra que o surreal coexiste em qualquer tempo. O “como deixamos isso acontecer ?” de André é uma marca palimpsestica de que todos esses brasis estão vivos e podem nos surpreender...

Atentem para o momento em que a Medida Provisória é aprovada e o segurança da inspetora Isabel, referência explícita ao nome da Redentora, atuação irretocável de Adriana Esteves, imediatamente prende o seu colega “melaninado”, a cena soa como um eco da famosa fala de Pedro Aleixo, vice de Costa e Silva na ocasião do AI 5, “Presidente, o problema de uma lei assim não é o senhor, nem os que com o senhor governam o país. O problema é o guarda da esquina”.   E o filme é cheio de guardas da esquina. Cenas assim se reproduzem no filme, muitos e muitos ecos e intertextos gritam em muitos momentos.  

Por falar em espelhamento, uma das cenas mais fortes do filme se dá na morte simultânea de André e Santiago, Pablo Sanábio, braço direito de Isabel que se arrepende por amor a Ivan (desculpem o spoiller) e muda de lado. Cenas de brutalidade que se dão tanto na superfície quanto no afrobunker, guiadas por razões diferentes, mas ambas pautadas no ódio que cega, destrói a razão e gera dor. Outras de força latente é a cena do centro cirúrgico invadido, a luta da namorada de André (Mariana Xavier) tentando ajudar de todas as formas ou banho de André lavando a tinta btanca.

E é nesse afrobunker que coisas lindas também acontecem, Dona Helenita/ Diva como uma espécie de sacerdotisa da emoção, da razão e da ação,  não posso falar mais nada dela para não dar mais spoiller, Berto/Emicida trocando armas por livros, a assembleia liderada pelo ancião numa atuação arrebatadora de Hilton Cobra, a cortina de Capitu com fotografias de pessoas inspiradoras e as aparições rápidas e marcantes de tanta gente iluminadora dessa luta contra o racismo e outras violências (Tia Má, Luana Xavier e cia).

Não posso terminar sem falar que a trilha sonora (Elza Soares, Cartola e cia, quanta Sapiência!), os cenários, a fotografia, o texto, o figurino, esses merecem rios de caracteres, só Dona Izildinha daria uma tese, só poderia ser vivida por Renata Sorrah com aquela roupa, aquele cabelo e aquele discurso (conhecemos muitas por aí) e ainda devo dizer que dá para rir muito em alguns momentos, afinal a Bahia dá um trabalho danado, né não ? Até o Japa...Ó paí ó...

Precisamos de arte, precisamos de artistas, precisamos daquele soco catártico, daquele aplauso no final, precisamos de ficção, precisamos dessa “subersiva alegria”. Obrigada, Lázaro e  cia, a gente te viu na marcha final (cameo) e esperamos te ver muito em trabalhos assim, onde você vai de mãos dadas com tanta gente linda...Agora, deixe-me ir, preciso andar, rir para não chorar...A marcha é contínua e continua ...

P.S. Os policiais todos aparecem de máscaras, e aí leitor?...

 

 

sábado, 12 de fevereiro de 2022

Além da ilusão: Folhetim em Fogo vivo

 

    Estreou essa semana a novela Além da ilusão, da autoria de Alessandra Poggi, a autora inicia promissoramente sua primeira novela solo (já colaborou em Malhação e integrou equipe de Miguel Falabella em Aquele Beijo, Pé na cova e O sexo e as nega). Nos seus primeiros dias, os arcos dramáticos já estão instalados com maestria e com promessas que nos animam.

    Tendo como cenário Poços de Caldas – MG (mundo urbano) e Campos-RJ (mundo rural), o namoro proibido entre Elisa (Larissa Manoela, está bem, mas me parece um tom ainda de musical)) e Davi (Rafael Vitti, convincente jovem galã) dá o tom no núcleo principal. A filha do severo juiz Matias e um mágico sonhador têm seu romance interditado pelos ditames conservadores da época. Esse veto faz com que a jovem enfrente com valentia seu mundo patriarcal. O amor, representado pela frágil rosa vermelha, é esmagado à força pelo seu pai, interpretado com destreza pelo Antonio Calloni.

    Ambientada nos anos 30 e 40, a novela não se detém apenas à ilusão, como o título sugere, embora a atmosfera feérica reine em muitas cenas de bailes e suspiros e magia. Há como pano de fundo da trama mudanças políticas propostas por Vargas (jornada de trabalho e outros direitos já foram mencionados) e outras questões sociais e econômicas, dentre elas, no mundo rural: A decadência dos engenhos de açúcar com a chegada das usinas.

    A morte do coronel Afonso (Lima Duarte) é o símbolo da decadência do antigo modo de produção do açúcar que não consegue competir com as usinas, ou seja, é o anunciado engenho de Fogo Morto, tão bem marcado na história da nossa literatura pela trilogia de José Lins do Rego (Menino de Engenho, Banguê e, justamente, Fogo Morto). Aliás, todo aquele universo de Campos tem um apelo histórico muito forte e recria passagens de nosso Brasil, como a convivência dos ex escravizados e dos imigrantes italianos trabalhando para o latifúndio da cana, rendeiros, posseiros e meeiros estão todos ali tentando sobreviver em meio à tal decadência e pobreza. Há claramente ainda uma servilidade muito forte e ecos coloniais que gritam em plena República.

    Emergem desse contexto as irmãs Violeta (mãe da protagonista), Mallu Galli e, Heloísa, Paloma Duarte, que estão dando um show como irmãs fortes que se amam e se enfrentam em torno daquele legado decadente. A cena de Heloísa no velório do pai, depois da confissão desse sobre sua filha, foi muito bem conduzida, trazendo ecos de A crônica da casa assassinada de Lúcio Cardoso, romance seminal brasileiro.

     É sabido, que na segunda fase da trama, nossa mocinha valente será Isa, a irmãzinha de Elisa (observem a pertinência do nome, Isa está contida em Elisa) que adulta também será vivida pela mesma atriz, já que Elisa morrerá e seu amado será condenado injustamente através de uma mentira sórdida de seu pai. Com a passagem de anos, os dois se reencontrarão e a rosa esmagada no passado será revivida.

    Vale ainda notar que a trama está muito bem dirigida por Luiz Henrique Rios, com belos cenários, jogos de luz, figurinos, diálogos e uma trilha sonora caprichada (divina  e graciosa)! Bem, o Engenho pode estra de Fogo Morto, mas o Folhetim segue vivíssimo, enquanto houver amores, segredos, lutas de classes, cartas roubadas, gavetas vasculhadas, sangue, honra, humor e a magia da ficção, nós espectadores aqui estamos torcendo por mais um triunfo da ilusão da arte que nos distraí das dores da vida!