Instagram

https://www.instagram.com/entretelasblog/

sexta-feira, 27 de março de 2020

Éramos Seis: Um sopro novo na casa da Avenida Angélica

                                                                        Para Aleilton Fonseca e seu amor à boa ficção...

O romance Éramos Seis, de Maria José Dupré, entra para a história da literatura e teledramaturgia brasileira (incluindo uma radionovela) como o livro que sofreu mais adaptações para a televisão. A vida de Dona Lola e sua família foi novamente reescrita para essa nova versão que hoje se findou poeticamente no horário das 18:00h. O romance publicado pela primeira  vez em 1942 conta a história de uma família e sua casa na capital paulista durante 28 anos, entre 1914 e 1942, período compreendido entre as duas Grandes Guerras e suas mudanças sociais vertiginosas. Meu primeiro contato com o livro foi através de sua publicação pela Série Vaga-Lume nos anos 80. Hoje acho que foi uma erro sua inclusão nessa coleção, pois não se trata de um livro juvenil, mas que bom que muitos jovens o leram...
No romance vale destacar o protagonismo da casa, que ganha estatuto de personagem, elemento ressaltado na abertura da novela. Durante anos a família de Júlio e Lola luta para quitar aquela casa, sonho alimentado por anos e objeto de muita discussão e desavença entre o casal. Sacrifícios imensos foram feitos para o pagamento da mesma, só concretizado após a morte do pai e de Carlos, o sangue desse foi parte do pagamento final.
O remake atual, escrito por Ângela Chaves, trouxe muitas novidades para os habitantes da casa da Avenida Angélica, para seus vizinhos, agregados e todos os núcleos da trama. A autora ampliou vários núcleos, costurou temas novos como feminismo, racismo, arte-terapia e desenvolveu com densidade personagens que apenas foram citados no livro ou criou mais figuras e histórias paralelas que enriqueceram a narrativa. A exemplo de Zeca,  marido de Olga, que é construído de leve no livro e foi ampliando de forma incrível na tela com o talento de Eduardo Sterblitch e sua amada, a excelente Maria Eduarda de Carvalho, rendendo belas cenas de humor e amor em Piratininga. Aliás o sítio cresceu bastante nessa versão com  as peraltices das crianças,  a passagem de Justina e as graças de Tia Candoca (maravilhosa Camila Amado) que ganhou ao final dois prêmios: um namorado  e um batom vermelho.
Creio que o mais interessante nessa versão foi a possibilidade de reescrever outros finais, inclusive com a presença de três Lolas em cena (Glória Pires, Irene Ravache e Nicete Bruno) levando em consideração a potência do nosso tempo. O final feliz de Lola ao lado de Afonso foi tecido com as tintas da delicadeza de um amor maduro que teve a paciência da espera e da compreensão como ingredientes, simbolizada pela Carta de São Paulo aos Corintos na cerimônia do casamento.  Foi bonito ver os dois juntos, pensando por um momento na felicidade deles antes das dos filhos. Outro final reescrito com belas tintas foi o de Clotilde, tão sofrida no romance, teve sua felicidade reescrita ao lado do Sr. Almeida.. Além do sucesso de Durvalina como Cantora do Rádio e o encontro com seu filho.
A novela ainda foi muito feliz em trazer para trama novos olhares para as discussões políticas e sociais que permearam a novela através de vários fatos históricos que atravessam a vida dos personagens. Tivemos nessa última semana a prisão de Lúcio (Jhona Burjack, revelação de jovem ator num papel de muita dignidade) numa manifestação que homenageava Rosa de Luxemburgo, tal cena foi motivo para trazer à tona termos como Liberdade de Expressão, Comunismo, Fascismo, palavras que voltaram ao nosso palco, infelizmente em arenas  de bipolaridade feroz, dentre outros momentos que o texto sutilmente dialogava com o calor da hora de hoje.
O capítulo final foi de uma beleza ímpar, todos irmanados na Ceia de Natal na casa de Dona Lola, que novamente voltou às suas mãos. Em lugar da solidão do romance onde Éramos Seis e só restava ela e suas lembranças melancólicas, a novela nos brindou com um Éramos Muitos em torno da mesa, alimentando nossa esperança por dias melhores junto aos nossos afetos nos deliciando com as rabanadas douradas...



domingo, 1 de março de 2020

Por Amor de mãe: para além do maniqueísmo


                              

A novela Amor de mãe tem arrebatado um público ainda fiel ao gênero folhetinesco e alavancado a audiência do horário já não tão nobre assim, mas ainda muito respeitado pelos telespectadores. Com as mudanças ocasionadas pelas redes sociais, já não precisamos esperar o dia seguinte para nas rodas de conversa no trabalho, nas filas do supermercado ou no transporte público  ouvir o que se comenta sobre o capítulo do dia anterior. Agora em tempo real, através da chamada “segunda tela” ou da “social tv” já sabemos o termômetro do capítulo no calor da hora, sejam nos grupos de watts app, sejam nos memes que inundam as redes dentre outros mecanismos do nosso tempo “esquizosimultâneo”, no qual nunca fazemos uma coisa só.

Todavia, para além das formas de partilha da contemporaneidade, o que gostamos mesmo, desde tempos imemoriais, é de uma boa história, com personagens instigantes e cenas que nos emocionam e nesse quesito Amor de mãe tem se destacado positivamente. O sucesso de uma personagem, faz com que ela vire metonímia da novela, assim foi um dia com a novela de Catarina, a novela de Carminha, a novela de Félix e agora com a novela de Lurdes. Lurdes, uma espécie de mãe de todos nós, tem roubado todas as cenas da trama e transitado em praticamente todos os núcleos. A sua força é incrível. Seu texto, caracterização e gestual nos faz morrer de amor por ela, aliás a direção de arte da novela merece prêmio, creio que nunca uma casa de pobre foi tão bem detalhada como a de Lurdes (em eterna obra e feita de remendos com seus objetos que são a cara de um Brasil que muitos conhecem bem).

Voltando ao tema central da novela, o amor incondicional das mães, temos muitas nuances em cena. Há limites para esse amor que beira o maquiavelismo como o de Telma com seus segredos inconfessáveis? Lurdes para ser uma boa mãe para seus filhos deixou para traz a sua mãe, aceitamos? Abandonar um bebê por não poder criá-lo imaginando que terá melhor sorte como a mãe de Camila é compreensível?

Não devemos julgar moralmente a literatura, sim novela é literatura em outro suporte, nos cabe compreender que aquilo é plausível na trama (necessidade de verossimilhança) e a trama é muito bem costurada, aliás todos fios se cruzam na vida das três protagonistas e o tapete é tão bem tecido que dá espaço para todas as personagens secundárias também crescerem e figurarem no grande painel. Penha (que virada) é um grande exemplo disso, ela mesma essa semana em conversa com Magno disse que todos têm seus erros, sem falar do vilão ambíguo e carismático, Álvaro da Nóbrega, que manda matar, chora de amor e ouve ópera.

Nessa semana o epicentro das emoções ficou em torno da volta de Lurdes à Malaquitas para reencontrar sua mãe. Cenas com misto de riso e lágrimas nos brindaram com belas sequências que nos remetem ao estilo da direção de Luiz Fernando Carvalho e das tramas de Benedito Rui Barbosa. A escolha de Zezita Matos como mãe de Regina Casé foi muito feliz (Lurdes podia mesmo ter sido personagem de Velho Chico e irmã de Bento e Santo dos Anjos) e o abraço  das três, avó, mãe e filha foi um quadro de puro lirismo, assim como a morte da matriarca carregada de poesia.

 As três passeando por aqueles caminhos que deram inÍcio à trama, metáfora da origem, só podia dar em outro segredo, a mãe biológica de Camila, que brotou daquele cenário portando revelações que darão continuidade à história. Dona Maria Santos Silva, que outro nome podia ser, falou nessa sequência ao ar livre uma frase lapidar: O impossível acontece todos os dias... Justamente quando a mãe de Camila passava numa carroça, volta ao principio, mais mítico impossível...

Já que nos lembramos de Benedito Rui Barbosa, creio que Manuela Dias também prestou um tributo a Manoel Carlos, o segredo vive nas gavetas, nas cartas e nos diários... Danilo ao arrumar o quarto do seu futuro filho, esbarra com o mistério que rege sua vida e mudará o rumo da novela...para não dizer que não falei de Vitória, personagem que adoro, mãe leoa daquelas com três maternidades em processo, tenho uma queixa  a fazer, ela ficou pobre demais, demais mesmo, não tinha nem uma reservinha, só a casa linda e o closet de sex and city? Uma advogada daquelas ia cair nas mãos de Penha a 25%? Bem botamos na conta do desespero...

São muitas as faces dos amores de mãe, esse sentimento prismático, mas os amores de pai também tem de revelado em Magno,  em Raul, em Davi, em Seu Nuno e no grande Durval, só não conte a ele que não sabe guardar nada....Sigamos! Muitos outros segredos ainda virão à tona nessas  outras páginas da vida...

terça-feira, 21 de janeiro de 2020

Bom Sucesso: Um brinde à literatura e à vida


                                                                                                 Para Lícia Soares de Souza


A relação da telenovela com a literatura é simbiótica desde seu surgimento. A sua origem remonta aos folhetins publicados nos rodapés dos jornais no século XIX. As primeiras tramas exibidas foram adaptações dos clássicos brasileiros (Senhora, A moreninha, A Sucessora dentre outros). Depois passamos para algumas livres inspirações, a exemplo de Fera Ferida, pautada na obra de Lima Barreto, as muitas tramas ligadas aos romances de Jorge Amado (Tieta, Porto dos milagres) ou inspiradas no Romance de 30 (Renascer, Velho Chico). Nos últimos anos, algumas obras têm adotado cada vez mais o processo de citação direta ou indireta, trabalhando a intertextualidade (“todo texto é um mosaico de citações” Kristeva, 1974) em todas as suas infinitas possibilidades. Estratégia criativa elevada à máxima potência em Bom Sucesso, que se finda, infelizmente como todo livro, essa semana, mas continuará ecoando em seus leitores.
Os autores, Paulo Halm e Rosane Svartman, e seus roteiristas igualmente talentosos e certamente bons leitores, investiram com força nesse profícuo diálogo entre os textos de todas as cores, gêneros, nacionalidades e épocas. A novela acolheu inúmeros repertórios culturais, do rap a Cyrano de Bergerac, de Vinicius de Moraes a Fernando Pessoa, da Letra Escarlate a Drummond, do Carnaval à Ópera, dando ênfase a algumas obras-chaves que funcionavam como molas propulsoras da trama, Dom Quixote, Alice no país das maravilhas e Peter Pan, espécies de alter egos dos protagonistas.
A literatura costurou toda a trama, cujo um dos protagonistas, Alberto Prado Monteiro, é um bibliófilo, vivido com toda a maestria por Antônio Fagundes, dono de uma editora em crise financeira, retrato do nosso mercado editorial invadido por celebridades e youtubers. A presença dos textos se corporifica na trama e se enreda na vida das personagens, seja nos devaneios de Paloma a cada nova leitura, seja na tropa de funcionários do Capitão (Captain, my captain) em suas investigações e peripécias a la Sherlock Holmes ou no Satanás Burlesco que se transformou o vilão Diogo.
Nesses últimos capítulos, os diálogos se intensificaram e se tornaram ainda mais sofisticados e belos. O incêndio na editora foi antecipado pela leitura dramática de Farenheit 451 de Ray Bradbury, obra distópica e utópica a um só tempo, que ganhou vida na voz de Fagundes ao passo que as chamas consumiam os livros. Após o fogo, um momento de rara sensibilidade foi encenado sobre as cinzas. Assim como no conto americano, cada personagem escolheu uma obra (com ligação especial com cada papel interpretado) para guardar na memória, espaço no qual estaria protegida para sempre de qualquer tirania, fogo, guerra ou ditadores, e tal como fênix ressurgiram dos escombros. Vale ressaltar nessa sequência, a morte de Gisele e o réquiem cantado para ela por seu amigo William, a emblemática Geni, de Chico Buarque.
A história construída sobre o lastro forte dos livros é também uma ode à vida com suas grandezas e pequenezas, sobretudo, uma acurada reflexão sobre a morte e o tempo através da doença terminal do Seu Alberto. Estamos aguardando o seu grand finale com ansiedade, pois já podemos imaginar a beleza que virá em seu último ato, epílogo de todos nós. A trama revigorou com beleza ímpar o horário das 19, não só pela presença da literatura e do estímulo ao letramento literário dos telespectadores, mas pela vida que pulsa no riso e choro humano, seja nas ruas de Bonsucesso, seja nos corredores das mansões solitárias. Avante, Quixotes de todos os lugares! A novela e a vida nos mostra que a literatura e a arte não cura nossas dores, mas ajuda a suportá-las! Contar e ouvir boas histórias continuará fascinando os homens de todos os tempos, era uma vez, e outra e outra...

quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

Dois Papas, Dois Homens: Confissões sem gelosia


                                                                         Para Mirella Márcia Lima




O filme Dois Papas estreou dia 20-12-2019 como um presente de Natal para os amantes das boas histórias. Dirigido pelo nosso talentoso Fernando Meirelles, com roteiro de Anthony McCarten e atuações impecáveis de Anthony Hopkins e Jonathan Pryce nos papéis que nomeiam a trama e protagonizam toda a narrativa, Papa Bento XVI e Papa Francisco.
Em 2012, na Argentina, o então cardial Jorge Bergoglio está decidido a se aposentar das suas funções e solicita um encontro com o Papa Bento no Vaticano para concretizar seu desejo. Já de passagem comprada sem saber se seria recebido ou não, ele recebe um convite do Sumo Pontífice, que depois será interpretado com um sinal divino. Ao chegar ao Vaticano, seu pedido é rejeitado pelo seu superior sem uma explicação plausível, nem sequer imaginaria ele a razão do chamado. Após longas conversas, Bento lhe revela o seu plano de renunciar ao papado e sua intenção de deixá-lo em seu lugar.
São exatamente essas longas conversas e os muitos silêncios que constituem toda a estrutura e beleza do filme. Esses dois homens tão diferentes vão travar longos diálogos (ora monólogos) que faz com que nos adentremos no íntimo de cada um deles, conhecendo seus vícios e virtudes, seus anjos e demônios, dois homens de carne  e osso e dúvidas. Sim, a trama tem um quê de maniqueísmo, pendendo a princípio o pêndulo do bem para Francisco. Todavia, na medida em que a trama se desenvolve, veremos que os dois andaram pelas sombras do vale da morte e que temos em cena duas figuras humanas densas que vão aprendendo um com o outro, pois assim como nas confissões, um dos eixos da história é o exercício da escuta.
As conversas e os silêncios vão ganhando o tom de confissões, de segredos sussurrados, e em alguns momentos um irá absolver o outro de seus pecados, pois ambos são atormentados por palavras, ações e omissões. Bento, a questão problemática da pedofilia. Francisco, os fantasmas da ditadura argentina. Aliás, as cenas em flashback cinzentos desse período são um dos pontos mais altos do filme juntamente com a fala amargurada do ainda Cardial que ousa questionar: “-Onde Deus estava durante a Ditadura da Argentina?”, eco da mesma frase proferida pelo Papa Bento quando visitou o Museu do Holocausto, ambas falas ecos de "Pai, por que me abandonaste?"...
Destaque-se também no filme, os bastidores políticos das eleições dos Papas (Habemus Papam!), o papel da imprensa, a trilha sonora, o futebol de um, a série do outro, as imagens imponentes do Vaticano em contraste com a realidade vivida por Jorge Bergoglio que fez a opção de viver entre os humildes e ser igualmente humilde, enquanto o outro prefere a distância e a solidão ao convívio com seus subalternos e fiéis.. A cena das malas, dos sapatos e dos trajes em sua posse é simbólica de sua opção, bem como a refeição solitária e a introspecção apontam para a natureza de Bento. Metáforas de duas linhagens de poder em jogo, jogo simbólico entre Alemanha e Argentina, jogo entre um Cristo no altar e um Cristo nas ruas junto aos povo. Parece haver um tabuleiro invisível entre esses dois homens que disputam entre si os rumos do catolicismo e de suas vidas. Vale também notar, que esse drama histórico bibliográfico reserva algumas cenas de rara beleza que tocam de leve o humor, a exemplo do momento da pizza com Fanta, da final da Copa do Mundo ou do glorioso Tango na despedida.
Nós vivemos um momento histórico único, vimos um Papa renunciar, para outro Papa assumir, portanto, assistimos a Dois Papas vivos. E agora temos a chance de ver essa história real ser retratada pelas tintas da ficção com tamanho cuidado estético e vigoroso diálogo com o real que nos põe contritos diante da magia da arte. Bem como estamos vendo, sob a égide de Francisco, a Igreja ganhar sopro novo. 
Habemus Papam Pop e por mim também Habemus Oscar! Amém!


domingo, 1 de dezembro de 2019

Amor de mãe ou o Rio de Janeiro para além dos cartões postais




Amor de Mãe estreou essa semana como grande promessa de restabelecer a qualidade narrativa do horário das 21:00h, depois de duas tramas que deixaram  a desejar (o gato miou e o bolo solou). Esse é o horário nobre da telenovela por excelência,  aquele que reúne milhões de pessoas em torno da tela para apreciar sua dose diária de ficção. Da autoria de Manuela Dias, inaugurando sua primeira novela depois de séries excepcionais como Justiça e Ligações Perigosas, aliás, o tom da primeira se faz presente com força na novela. Os primeiros capítulos cumpriram a expectativa e foram arrebatadores!

O tema escolhido, Amor de mãe, é universal e atemporal, atinge a todos de variadas formas. Será trabalhado a partir de três protagonistas, Lurdes, Telma e Vitória. Mulheres de classes sociais diferentes, mundos diferentes, mas que se unem no drama individual e coletivo do amor incondicional aos seus filhos. É interessante notar o cruzamento da tríade, como a trama conduz a ligação entre elas. Todas Mães-coragem (Brecht, a carroça) lutando pela felicidade de seus filhos, todas personagens ambíguas que borram o maniqueísmo tradicional. Embora sejam 3 protagonistas, Lurdes parece ser o fio condutor para a história. Regina Casé está brilhante no papel que alude a outras personagens já interpretadas por ela no cinema (Darlene de Eu, tu e eles e Val de Que horas ela volta?), traz consigo a força do drama, mas com aquelas notas precisas de comédia ( a cena do dinheiro na praia, a desconfiança à primeira vista de Raul) que nos fazem chorar e rir e torcer por ela, mesmo quando a linha da ética oscila em nome da proteção das crias.

Em pouco tempo já tivemos contato com cenas magistrais, como a reação de Lurdes ao descobrir  a venda do seu filho, a perda do bebê de Vitória e o discurso de formatura de Camila, professora de História, personagem simbólica pelo papel que ocupa e pelo momento atribulado que vivemos, e suas primeiras aulas em uma escola pública tendo que enfrentar a realidade dura de estrutura precária,  de alunos desmotivados e  de uma rajada de tiros, mas mesmo assim ela cantou e segue em frente e segura o rojão, podia perfeitamente ser uma cena de Segunda Chamada.

Vale destacar que a novela, na minha leitura, não tem três protagonistas, mas sim quatro. A quarta é a cidade do Rio de Janeiro com toda sua rede intricada de espaços e paisagens que os cartões-postais não mostram. Observem como há cenas externas, nas quais as ruas e suas figuras ganham vida sejam nos becos, sejam nos ônibus, sejam nas avenidas da Zona Sul. A trama traz uma geografia social externa e interna, mostra espaços abertos e o interior das casas, sejam nas mansões e ilhas ou nas casas inacabadas e apartamentos populares. E esses lugares determinam muito do tom de cada núcleo (a solidão de Lídia em sua mesa gigante e  corredores de sua mansão, a união da família de Lurdes em sua cozinha apertada onde todos se encontram todo tempo, o velho restaurante e a velha casa de Telma e seu apego ao passado). O espaço adquire feição de personagem e dialoga com a narrativa.

Muitos pontos altos merecem nota, a escalação de atores, o texto, os flashbacks sofisticados, o ritmo rápido,  a película de cinema, a tensão constante,  a trilha sonora diversa e escolhida com primor (de Fábio Junior a Aznavour passando por Bethânia e Gonzaguinha e cia, É foi também trilha de Vale Tudo!), os cenários, os intertextos (Gabriela contemporânea tira drone do telhado). Como foi já veiculado em entrevistas, na trama não há grandes vilões, a vilania está na própria vida com suas agruras diárias, há algumas personagens que encarnam o mal em algumas ações como Sinézio, Vera, ou o empresário ambicioso (Irandhir surpreendendo em um papel que nunca fez) mas que não chegam a serem os grandes opositores, essa estratégia traz um sopro novo para a teledramaturgia, assim como o fato de não termos um par romântico no centro do enredo.  É a vida, o destino e as condições sociais que costuram o bem  e o mal e as dores e delícias...De ser mãe e de ser humano... Sigamos com fé que  a gente não pode deixar de sonhar !!!




segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Segunda chamada: As veias abertas da educação noturna


A série Segunda chamada, de Carla Faour e Julia Spadaccini, com direção de Joana Jabace, tem roubado nosso sono nas noites de terça-feira na Rede Globo de Televisão. Considerada pela crítica como a Sob Pressão da educação, por abordar de forma semelhante as mazelas da escola pública assim como aquela o faz com a rotina de um hospital igualmente feito para o povo. Comparação deveras pertinente, pois ambas são pautadas no realismo crítico e contundente do cotidiano do nosso país através das problemáticas dessas instituições tão fundamentais quanto maltratadas ao longo dos anos.

A grande força da série fundamenta-se na construção dramática de suas personagens, aliás, uma refinada construção de criaturas complexas. Cada professor e cada aluno lutam com seus demônios individuais antes de cruzar o portão da escola e os levam para dentro dela, onde duelam com outros tantos demônios coletivos. Em cada face, um drama em chaga aberta e um sorriso tímido, com um desejo único de fazer com que aquele espaço funcione. Apesar de tudo, todos depositam alguma nota de esperança naquele prédio em decomposição, mas com sonhos pulsando. Lúcia, a professora de português, personagem de Débora Bloch, é um exemplo desse tumulto entre o individual e o coletivo. A atriz está excelente nesse papel que parece ser talhado para ela, desde Justiça e Onde nascem os fortes vem se destacado no drama.

A classe noturna é composta por uma gama de alunos variados, adultos de todas as idades que pelos espinhos do caminho não seguiram a cronologia esperada e voltam para essa escola com todas as marcas da vida e os sonhos contornados pelo mundo que lhes é possível (posso atestar de cátedra a verossimilhança dessa série, já fui professora desse turno). Creio que toda sala de aula é um microcosmo da sociedade e aqui não é diferente. Dentre tantos rostos cansados, temos a jovem mãe com um bebê e o desespero nos braços, o motoboy correria, a garota de programa, a senhorinha católica (Teca Pereira, ainda quero te ver em grande papel), a transexual, o catador de lixo (José Dumont, hors concours, nosso eterno Severino), o filho do diretor que leva bomba na escola particular, o pequeno traficante, dentre outros tipos tão bem representados nessa caderneta viva.

Na sala dos professores, os dramas humanos também se impõem com força. Temos a professora muambeira buscando driblar os baixos salários (Thalita Carauta, mostra que pode ir muito além da comédia), uma figura muito conhecida nas salas dos professores, a mal casada (Hermila Guedes, brilha desde O céu de Suely) que traz seu rancor para a escola, o jovem professor de artes testando seus limites (Sílvio Guindane, também rompendo o humor) e o diretor dividido (Paulo Gorgulho, seja bem-vindo de novo) entre a aplicação da lei e o bom-senso dentro desse caldeirão multicultural que ameaça explodir toda semana.
É interessante notar como os conteúdos das aulas são cuidadosamente trabalhados em consonância com os acontecimentos extraclasse (os roteiristas tirando dez!). Na aula de matemática, a professora ensina divisão mostrando o valor do salário mínimo e acentuando quanto custa um dia de trabalho do assalariado. Na aula de História, a lição é sobre as Capitanias Hereditárias, justamente numa noite na qual a escola estava alagada pela chuva e os professores e os alunos lutando para conseguir um mínimo de espaço para as aulas acontecerem, excelente metáfora da luta cotidiana de todos ali buscando driblar as intempéries e o pouco espaço que lhes sobra. Na aula de artes, o professor que luta para ter suas aulas “inúteis” preservadas, discute O Pagador de Promessas, lição literária sobre a intolerância religiosa que vigora na escola onde uma imagem sacra fora quebrada minutos antes.
Mas para além do currículo oficial, há o currículo oculto no qual aprendemos aquelas lições que valem para toda vida dentro e fora dos muros da escola Carolina Maria de Jesus, nome emblemático por sua obra que deu visibilidade aos excluídos, sendo ela mesma um autora improvável, assim como os alunos dessa escola são cidadãos improváveis em meio a tanta precariedade. Dona Teca aprendeu a respeitar Natasha (Linn da Quebrada arrasando) e permitir que essa garanta seu espaço e dignidade como mulher trans. O casal evangélico fundamentalista foi socorrido na hora do parto pela jovem prostituta que ainda carrega sonhos (Mariana Nunes) e foram tocados pelo afeto dessa mão antes desprezada, dentre tantos preconceitos que se podem ser revistos nas “salas de aula” dessa escola. As lições estão postas, quem tiver olhos para ver que vejam...
Antes de concluir esse nosso dever de casa, não podemos deixar de mencionar a trilha sonora de alta qualidade e com letras completamente espelhadas na trama através de compositores e intérpretes variados (Emicida, Projota, Elza Soares, Gonzaguinha, Belchior...). Quem tiver ouvidos para ouvir que ouça, afinal esse ano eu morri, mas para o ano eu não morro e Você merece, Vocês mereces assistir à Segunda Chamada...Viva a arte, ela não cura nossas dores, mas ajuda a suportá-las...Educação pública, presente!




sábado, 28 de setembro de 2019

Órfãos da Terra: Uma ode ao amor sem fronteiras





O último capítulo de Órfãos da Terra foi construído através de uma beleza ímpar, todos os desfechos de todas as personagens e núcleos convergiram para um ideal de amor fraterno, de Amor grafado com letra maiúscula. As autoras, Thelma Guedes e Duca Rachid (Sherazades admiráveis) foram muito felizes na escolha de um tema tão contemporâneo e atemporal ao mesmo tempo.  A história da humanidade é feita de êxodos, de travessias, umas por escolhas, mas a maioria pela força bruta da guerra, da miséria e da escravidão.
O tema central da novela das 18:00h, que poderia ser das 21:00h pela sua densidade e atuações de excelência (Paulo Betti, Eliane Giardini, Ana Cecília Costa e cia, além do núcleo jovem e sua liga da justiça), pareceu saltar das telas do noticiário para dentro da ficção e vice-versa, como narrativa clássica tivemos vilões malvados e impiedosos, o Sheik Aziz e sua filha Dalila e mais seu exécrito do mal, em meio a tantas histórias familiares de luta pela sobrevivência e união. Creio que no meio tivemos a famosa barriga, com sequências arrastadas, como os muitos planos malvados de Dalila, mas nada que tirasse a beleza da história.
 Um dos pontos altos da trama foi a convivência entre os árabes e judeus através das famílias de Seu Boris e Seu Mamede, brilhantemente representados por Osmar Prado e Flávio Migliaccio com muitos risos e lágrimas. Na reta final, a questão do Alzheimer de Seu Mamede foi tratada com muita sensibilidade e ele e seu dantes inimigo judeu nos presentearam com cenas lindas de amizade e cuidado, coroada com a cena do nascimento dos gêmeos no último capítulo. Migliaccio brilhou entre o drama e a comédia, tirando partido da sua condição de idoso aparentemente frágil para dar mais força ainda a sua interpretação comovente. O banquete dos mendigos foi uma cena magistral.
O último capítulo reservou generosamente para cada personagem, para cada casal e para cada núcleo, um final especial pautado na ideia de congraçamento. Com muitos casamentos, amores diversos que redimem o mal e bebês à mão cheia, tivemos o trunfo da felicidade tradicional do último capítulo. A cena da preparação do corpo de Dalila também foi muito tocante e até ela teve sua redenção ao experimentar o amor materno por sua Soraia, deu prova desse amor ao deixar a pequena para sua avó criar em um lar de verdade.
O desfile de Martin foi rico em metáforas da vida dos refugiados com os despojos pelo caminho (muitos sapatos perdidos nas estradas, muita poeira pelo caminho), na passarela a vida e a beleza pulsando apesar de tantas perdas. A sede da Ong dirigida com afinco pelo Padre Zoran foi mesmo o palco para tantas vidas que por ali passaram e nada melhor que a música para reger a união entre os povos, a música de abertura é um hino ao tema, vale ressaltar o trabalho dos voluntários nesse projeto, outro símbolo de fraternidade.
A última cena em close para o discurso de Laila, discurso belíssimo que atou todas as personagens da trama nos lembrando de que todos somos em alguma medida também estrangeiros (excelente menção aos nordestinos em São Paulo e aos afrodescendentes) e evocou a vocação do Brasil para a diversidade cultural e tradição em receber todos os povos. Além da força desse discurso, a presença da metalinguagem foi um bônus, ao desligar a câmara, a história continua e Laila e Jamil retornam ao lugar do começo em São Paulo, onde a palavra fim nos aguardava em todas as línguas, sem fronteiras... E por falar em histórias que não acabam, Éramos seis nos espera de novo...