Instagram

https://www.instagram.com/entretelasblog/

segunda-feira, 16 de agosto de 2021

Nos tempos do Imperador, uma dupla saudação! Ave, Pedro! Ave, Ficção!

 

A novela Nos tempos do Imperador de Alessandro Marson e Thereza Falcão é saudada com alegria pelos telespectadores ávidos por uma nova história na nossa televisão. Vale lembrar que desde 2020, com a suspensão das gravações pela pandemia, é a primeira trama completamente inédita, uma vez que Amor de Mãe e Salve-se quem puder retornaram para serem concluídas.

Nós, os noveleiros, não estamos felizes só por uma novidade no ar, só por mais um “Era uma vez” tão esperado, o que já nos contentaria, mas por se tratar de uma trama histórica que retrata um período importantíssimo do nosso país. Nos tempos do Imperador vem somar pontos na nossa tradição de produzir novelas de época de alta qualidade e que marcam nossa teledramaturgia como Escrava Isaura, Direito de Amar, Sinhá Moça, Força de um desejo e Lado a Lado dentre tantas outras.

Como uma espécie de parte II de Novo Mundo, os autores voltam para continuar a sucessão de Dom Pedro I na figura de seu filho Dom Pedro II. Com os pés fincados no real, a novela, obviamente, não se furta do seu papel folhetinesco e de seu compromisso único com a ficção, mas nos oferece uma boa dose de História. Misturando as esferas propostas por Aristóteles (Res Factae e Res Fictae), a narrativa tem tudo para acertar em cheio ao dosar bem esses dois universos.  Se for História demais, tenderá ao documentário, se for ficção demais, trairá o tempo citado no título.

Por falar em título, fica claro que se trata de uma novela de personagem, boa parte circula em torno de Pedro II, vivido pelo grande ator Selton Mello. Todas as outras linhas, de alguma forma, convergem para ele. Sua centralidade é bastante simbólica e construída com os pinceis da ficção que ampliam e retocam sua figura pública já conhecida. Ele é o homem ilustrado que lê Goethe, cita Dante e tem Victor Hugo como seu autor preferido, citações nada ingênuas e que dão a argamassa de seus pensamentos. Ele é o cientista, o colecionador, o fotógrafo, o monarca que aceita ideias diferentes, como consentir que um professor republicano dê aulas para suas filhas, mas não consegue frear tantos problemas. Características que compõem esse homem que não pôde escolher seu destino e há de decidir sobre o destino de um povo.

O que tem me chamado mais atenção até o momento é justamente os dramas íntimos do Imperador e de seus pares, ou seja, o homem e a mulher por baixo da coroa e do cetro, com todas as suas fragilidades, angústias e dúvidas. Sabatella é sempre excelente em portar o elemento trágico em suas atuações. A essa altura, ela já mostrou saber da ameaça que entrou em seu palácio, a Condessa de Barral. Ao que tudo indica Ximenes também protagonizará a trama com suas atitudes de vanguarda e por ser a outra vértice do famoso triângulo amoroso, se é que se pode falar de amor nos casamentos reais. Os olhares desse trio se mostraram eloquentes nessa primeira semana, dizendo muito do que virá.

Para além do Paço, temos uma cidade que pulsa com todas as suas camadas. Golpe de mestre dos autores trazer à luz a Pequena África com tudo que ela representa num país escravocrata, uma espécie de espaço utópico, um pequeno território onde os negros exerciam sua “cidadania” e que é desconhecido da maioria. Ao ser apresentada para Jorge/ Samuel pelo outro rei da trama, o rei negro, ele achou estar no céu. Não sem muita luta e sangue, meu caro jovem, a exemplo dos malês que ele acompanhou.

 E chegamos em Jorge/ Samuel, um outro protagonista, uma espécie de espelhamento do mundo de cima, que viverá as agruras de um amor proibido por sua Pilar, a jovem que quer mudar sua sina ao fugir de um casamento arranjado por seu pai. A menina tem força de heroína, filha do coronel vivido por José Dummont (muito bom vê-lo nessa condição social), metonímia de todo conservadorismo e interesses escusos (Moça só sai de casa ou casada ou morta!). Temos que destacar o núcleo dos coronéis baianos, liderados por Tonico Rocha (Olha o Imperador em outro Império! Dá-lhe Nero! E ainda levou Josué para o Paraguai!), um típico representante das elites do XIX, parece ter saído da lavra machadiana. Ele daria um ótimo primo de Brás Cubas. São muitas personagens e muitos brasis ainda a serem mostrados.

No bom estilo histórias cruzadas, todos esses brasis se misturam em busca de uma ideia de nação que ainda tateia sob as luzes difusas dos lampiões e das chamas das  fazendas do Recôncavo e não sabe o que fazer com tantos problemas internos e externos. E não podemos esquecer daquela herança maldita do tempo de Pedro I, ou de Novo Mundo, Licurgo e Germana, tão grotescos que nos chocam. Alegorias de um espírito atrasado e zombeteiro, espíritos de porco indomáveis. duas outras alminhas fantasmagóricas a nos assombrar, como aquela de Viva o povo brasileiro.

Estou confiante que teremos boas surpresas embaladas por uma trilha sonora sensacional, cenários, figurinos e fotografias de encher os olhos...E antes que venham as réplicas...Nunca foi fácil falar sobre o Brasil e sobre nosso passado tão incômodo e ainda tão presente nos nossos dias...

sábado, 10 de abril de 2021

Amor de MÃE: A ficção atravessada pela inverossimilhança da vida

 

A novela Amor de Mãe, que ontem se findou, será marcada pelo atravessamento surreal da pandemia em nossas vidas e seus desdobramentos na ficção. Iniciada no final de novembro de 2019, foi interrompida em março de 2020, retomada um ano depois para ser concluída da forma mais breve possível em razão das circunstâncias impostas para sua gravação e que consagra Manuela Dias, sua jovem autora, no time de ouro das nossas novelistas na esteira de Janete Clair, Glória Perez e cia.

             A novela é uma obra aberta e vai sendo feita ao sabor de diversas variáveis. Os autores sabem como começam seus primeiros capítulos, mas só têm uma vaga ideia de como terminará. Nessas variáveis entram, por exemplo, a aceitação do público que faz uma subtrama crescer ou minguar, uma personagem secundária se destacar ou as próprias intempéries da vida, como a doença ou morte de um ator, mudar o rumo, mas com a variável pandemia, ninguém, nem na arte, nem na vida, podia prever. E foi esse o desafio que se apresentou e que atravessou a novela das 21h, das 9h que já foi das 8h, a mais vista e desejada da nossa TV. E aguardamos um ano para ter o desfecho do mote principal, o reencontro de Lurdes com Domênico, seu filho vendido aos dois anos de idade. Fato central que fazia com que as outras duas protagonistas, Telma e Vitória, orbitassem ao seu redor até que suas histórias se cruzassem.

A grande cena do encontro de Lurdes com Domênico/Danilo já nasceu antológica, certamente entrará para a galeria da nossa teledramaturgia como uma das mais belas e emocionantes. O momento tão esperado foi marcado por diversos símbolos potentes, desde o altar possível construído por Lurdes para continuar rezando por seus filhos, à revelação da Graça da saída do cativeiro pela Pomba, formando uma trindade nova Mãe, Filho e Espirito Santo.

O encontro na estrada merece nossa atenção especial, a mãe que buscou o filho por 27 anos é que foi encontrada por ele. Sem saber quem estava procurando, o filho achou aquela que já estava velando por ele. A estrada empoeirada, semelhante ao espaço onde toda a busca começou, volta à cena, acrescida de trilhos abandonados, uma metáfora do curso de uma vida que foi interrompido e, no momento magistral do abraço e do reconhecimento através do cheiro na cabeça do filho, a mesma estrada deu ré para recuperar o tempo do amor perdido. Além dos símbolos, a interpretação dos atores foi visceral, Lurdes/Regina Casé tornou-se, nesse momento de desalento que vivemos, uma espécie de mãe arquetípica de todos nós (“Sua mãe está aqui” seu brado retumbante). Já Domênico/Chay Sued honrou toda a espera e a angustiada sequência da procura com a maestria de um grande ator que fala através dos olhares, dos silêncios, dos soluços e do texto forte (Onde estava Deus?) que brotava de sua voz rouca, típica das emoções que nos atravessam a alma. E a música Onde estará o meu amor?,  de Chico Cezar cantada por Maria Bethânia, coroou o momento ( A noite findou e o sol rebrilhou sobre eles).

Daí em diante a alegria dos reencontros com os filhos/irmãos, naquela grande família cheia de problemas, mas unida nas horas boas e ruins. Ao chegar no quintal da casa de sua nova mãe, o filho reencontrado e tentando matar Telma dentro dele, pergunta para Lurdes sobre o ninho do passarinho, outra imagem do aconchego que teria naquela casa e sobre o que fazer com aquele sentimento que lhe esmagava o peito. Dentre uma das falas de Lurdes nesse reencontro ela disse: “O tempo é rei, o tempo cura tudo, não existe família perfeita, existe família unida”. Aliás, as frases sábias de Lurdes mereciam um compêndio, filosofia condensada dessa mãe tão brasileira que nos faz rir e chorar!

Ainda vale destacar outras simbologias interessantes nessa retomada da trama. A psicopatia revelada em Telma foi acompanhada das imagens internas de sua casa, corredores, portas, gavetas, pastas, papeis guardados, que aludem aos seus labirintos internos. Adriana Esteves brilha em qualquer personagem na comédia ou no drama ela reina soberana.

 A morte de Álvaro, o gigante Irandhir Santos, de tão boa atuação que a gente ainda sente empatia por ele, como ele mesmo disse "sem arqui-inimigo não tem herói", também foi rica em imagens. Se arrastou até a cadeira da presidência, marca de sua ambição, e morreu porque foi buscar mais dinheiro que como já fora dito era o móvel de sua vida, poço de seus vícios e no amor por Verena sua única virtude. Ele era a marca da corrupção predadora na trama. Sua construção nos remete à máfia italiana com seus ternos elegantes e gostos refinados, inclusive sua trilha sonora é a ópera Mio Babbino Caro de Puccini. Através dele, tivemos Davi, o quixotesco ativista ambiental, que teve um belo fim, discursando na ONU, gotas de esperança que a ficção nos dá.

Pela própria economia narrativa e penso que pela necessidade de tratar de diversos temas em pouco tempo, houve algumas passagens que julgo desnecessárias, mal resolvidas ou que traíram a verossimilhança buscada.  A luta corporal e o discurso de Vitória com o agressor da esposa no meio do mato, a morte de Lucas, a saída dos pacientes da UTI em aparência tão saudável, a inserção da mãe biológica de Tiago, mas paro aqui, porque os acertos foram bem maiores e não abalaram em nada o brilho do final.

Sem esquecer de personagens que cresceram muito e se modificaram durante a trama como Penha e Leilinha Pé na cova Gratiluz que foram se destacando até formar o casal de contraventoras simpáticas que acabamos perdoando ou Lídia, que encontrou no verdadeiro amor por um homem simples, uma razão para recomeçar sem perder o charme o esnobismo dos herdeiros. Aliás, Magno merecia a menção honrosa Amor de Pai, de filho e de irmão. Sandro, outro exemplo de força interpretativa e caráter ambíguo, oscilando entre seus dois mundos, opta pelo segundo, sem deixar para trás os amigos antigos.

O final... As três protagonistas juntas no leito de morte de Telma, discutindo suas culpas e seus perdões e a consciência da mão do destino que age impiedosamente sobre nós surgiu em diversos diálogos (se Domênico não fosse vendido, não existiria Camila, se Sandro não fosse o primeiro a ser vendido... E  aí por diante na estrada sinuosa da vida). E o perdão de Danilo que foi ministrar a extrema-unção, o perdão para que Telma pudesse partir. Como em sua fala que bom seria se as mães não errassem nunca e fossem perfeitas, mas como isso não é possível, ficamos com Lurdes marcando os copos com esmalte para seus filhos e todos juntos se sacaneando com todo respeito, como ocorre nos encontros das famílias imperfeitas e que se amam...


Teria muito mais a dizer tão grande era o meu desejo de voltar às Entretelas em um ano que só tivemos reprises em meio à barbárie lá fora. Não posso terminar sem falar do discurso esperançoso de Camila, Jéssica Ellen excelente em seu carrossel de emoções e provas, se Lurdes é nossa Mãe arquetípica, ela é a nossa Professora arquetípica. A que luta todos os dias por uma educação melhor e crê no seu poder de transformação mesmo em contextos tão adversos... Sim! A ficção também pode nos ensinar muita coisa e nos salvar por alguns momentos da brutalidade do cotidiano... Pena que foi tão rápido, mas o suficiente para ser inesquecível. E, assim como na novela, terminemos com Guimarães Rosa, pela boca do nosso Riobaldo, porque a vida é travessia e exige da gente coragem:

O correr da vida embrulha tudo, a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem. O que Deus quer é ver a gente aprendendo a ser capaz de ficar alegre a mais, no meio da alegria, e inda mais alegre ainda no meio da tristeza! Só assim de repente, na horinha em que se quer, de propósito – por coragem. Será? Era o que eu às vezes achava. Ao clarear do dia.

 

Sigamos segunda-feira com Império. Na falta do novo, redescobriremos a magia do já visto...