Instagram

https://www.instagram.com/entretelasblog/

quinta-feira, 21 de maio de 2020

This is us: Sim, esses somos nós também



Para Denison Monteiro que me indicou e para minhas sobrinhas Maria Victória e Renata que também  se apaixonaram  por essa história




A série This is us, em exibição na Amazon prime, tem todos os ingredientes de uma boa história. História daquelas que te prendem do começo ao fim e deixam ao final de cada episódio o desejo incontrolável de continuar acompanhando a trama. As boas narrativas não são boas só pelo que nos contam, mas, sobretudo, como elas nos contam. O famoso casamento feliz entre forma e conteúdo que nem todos os livros ou filmes alcançam. E essa comunhão entre forma e conteúdo é alcançada com maestria por essa belíssima série dirigida por Dan Fogelman que acompanha o cotidiano de uma família americana por 04 décadas mostrando como o passado interfere no presente. Aí está um dos seus pontos mais altos, a narração simultânea dos dois tempos.
As histórias das famílias com todos os seus momentos de drama e comédia é um pouco a história de todos nós. Umas famílias pendendo mais para a dor outras para o riso, equilibrando o amargo do limão e o doce da limonada como ensina Dr. K.  É claro que todas elas têm boas histórias para contar, segredos a esconder, fatos para lembrar e outros tantos para esquecer nas gavetas, nas cartas, nos retratos esquecidos. Assim são os Pearson, uma família de Pittsburgh, formada pelo casal Jack (Milo Ventimiglia) e Rebecca (Mandy Moore) e pelos trigêmeos Kevin (Justin Hartley), Kate (Chrissy Metze), Randall ( Sterling k. Brown).
O fato desencadeador da trama é o nascimento dos trigêmeos. Nesse dia um dos bebês morre (Kily) e nesse mesmo instante um recém-nascido é abandonado no Corpo de Bombeiros e levado ao hospital. Tal acaso, ou não, determinará a formação daquela família que adota o bebê em substituição ao que morreu (temos vários acasos na série que mudam radicalmente os destinos das personagens). Assim temos os trigêmeos iguais e diferentes, aceitos e rejeitados, some-se o detalhe que será um dos motores da história, que o menino adotado é negro.
É notável o esforço dos pais para criá-los com igual amor e oportunidades e o esforço hercúleo para dar tratamento individualizado a cada um deles, atentos para intervir ao menor problema. O casal Jack e Bec, vivem uma das mais belas histórias de amor que já vi, ambos vem de lares problemáticos e desejam dar aos filhos uma infância perfeita e parecem chegar bem perto disto, não fossem os pontos de vista e percepção de cada um dos filhos sobre os mesmos fatos vivenciados. E chega uma hora em que cada personalidade começa a se mostrar e exigir suas diferenças, como na festa de dez anos deles quando as crianças pedem festas individuais com os temas da sua escolha. E na adolescência então, as diferenças e os conflitos afloram. Teremos o estudioso/inseguro Randall, o galã/fútil Kevin e a carente Kate, sofrendo com a sua luta constante contra a obesidade.
No presente, temos um Randall casado com Beth, outra bela história de amor, pai de duas filhas, um executivo bem sucedido morando numa bela casa, só ele ficou em Pittsburgh. Kevin, um ator frustrado de um seriado de TV em busca de um lugar ao sol no cinema e Katy, como empresária/babá do irmão e lutando com seus fantasmas, mas que encontrará seu grande amor nos braços e nos sorrisos do incrível Toby, outra grande figura. Sabemos que o pai já faleceu há anos, mas só saberemos bem depois como foi a sua morte, não darei spoiler, vale ver  a cena.
Outro fato marcante da trama é a busca de Randall por seu pai biológico e ele o encontra para nossa felicidade.  William será uma das melhores personagens de toda a série. Aquele senhor, poeta, músico, maltrapilho, ex-viciado, em estado terminal, tem tanto a nos ensinar que nos surpreende em cada fala e gesto e você vai se apaixonar por ele também, assim como por seu filho e toda a sua família. Aliás, outro ponto alto da trama é a chance que foi dada para que cada personagem, principal ou secundária, se desenvolva plenamente e tenha seus próprios conflitos a elaborar diante de nossos olhos, tais como Tio Nick, Doutor K, Shauna, Malic e tantos outros.
Não seria capaz de elencar  quais cenas gosto mais, de tantas que chorei muito e de outras que ri demais...Há cenas de rara beleza como naquela em que Kevin larga o seu lançamento para socorrer o irmão em uma crise de pânico, quando Kevin vai ao Vietnã em busca da memória do pai e quando larga tudo para resgatar seu Tio Nick, o Alzheimer de Rebecca, as festas do Dia de Ação de Graças, os telefonemas a três, o casamento e formatura de Kate,  adoção de Deja, outra personagem de muita força.  Kevin que era considerado o mais frívolo dos três vai amadurecendo  e se transformando durante as décadas.
 Os Pearson e todos aqueles que têm a sorte de viver com eles  vão reelaborando seu passado para enfrentar o presente em meio a tantos temas importantes como racismo, música, cinema, guerra, sonhos, adoção, deficiências, drogas, alcoolismo, orientação sexual, amizade e fraternidade e muito, muito amor, pois essa família é  intensa e quente como são as grandes histórias de amor. Esses são eles, esses podemos ser nós também...This is us entra na lista de melhores narrativas da minha vida...E por falar em boas histórias de afetos já viram Modern Love?


sábado, 4 de abril de 2020

Anne com E: Amor aos livros e à vida


                                                            Para Fabíola Vilas Boas e seu amor à leitura

Há um ditado africano que diz que é preciso toda uma aldeia para educar uma criança. Na série Anne com E, a protagonista inverte essa lição ancestral, ela é uma criança que educa toda uma aldeia. Anne with an E é uma série de televisão canadense baseada no livro de 1908, Anne de Green Gables, de Lucy Maud Montgomery e adaptada pela escritora e produtora vencedora do Emmy, Moira Walley-Beckett, que agora é exibida pela Netflix com grande sucesso de público.
Eu, ainda resistente ao tempo das séries, dediquei algumas ávidas horas para assistir a essa genial história da menina ruiva e sardenta que se ainda não roubou, roubará seu coração. O drama das órfãs é um tema comum na literatura e no cinema quem não se lembra de Poliana, de Heide ou de outra Annie, filme  de sucesso  nos anos 80? Despertando sempre nossa compaixão, o sofrimento delas é mitigado por doses de fofura e sabedoria, sabedoria que vai transformando a todos à sua volta.
Com nossa Anne Shirley não é diferente, mas então o que ela tem de tão especial? A história muito bem construída em três temporadas (até então, tomara venham outras) aproxima-se dos romances de formação, cobre um período da vida de Anne que vai do final da infância, inicio da adolescência e começo da vida adulta. Além disso, mistura muitos gêneros narrativos tais como aventura, romance, suspense e filme de época ao contar as várias fases de Anne, eixo absolutamente central da trama. Infância sofrida entre um orfanato sombrio e passagens por algumas famílias que exploravam seus serviços sem piedade. Começo da adolescência já com sua nova família, onde enfim depois de muitas provas tem um lar e um nome ao lado de dois velhos irmãos taciturnos que vão se colorindo com a sua radiante presença e o nascer de uma jovem adulta, universitária e amada por seu cavalheiro Gilbert (com ares de Huckleberry Finn).
O aprendizado doloroso da infância talvez seja um dos pontos altos da série e que dá notas de drama a algumas partes da narrativa. Narrado em flashbacks, ficamos sabendo de todo sofrimento da menina até os 12 anos, entre rejeições múltiplas no orfanato e maus-tratos nas famílias “adotivas”. O único aspecto luminoso dessa fase são os livros que lê. Como uma náufraga ela se agarra às histórias e passa a habitá-las e nutre um sentimento afetivo pelas palavras. Tal prática leitora será o diferencial de toda sua vida posterior. Muito além de uma leitura meramente decodificadora (alfabetização), ela alcança aquilo que chamamos de letramento, ao dar significado a tudo que lê (ter lido um manual de incêndio faz com que ela salve uma família das chamas) e, o mais importante, traz a fantasia para dar brilho para sua vida sofrida, preenche os espaços da falta com a magia da imaginação.
Outro ponto alto da trama é o desenvolvimento das personagens, todas têm espaço na série. Do seu núcleo familiar formado pelos irmãos solteirões e reservados, à vizinha bisbilhoteira, aos vizinhos ricos, todos carregam complexidade e ambiguidade. Todavia é na escola que o palco da galeria humana melhor se apresenta, ali todos os tipos sociais sentam naquelas cadeiras, como numa espécie de microcosmo da sociedade. Há um desfile de meninos e meninas com todas as nuances possíveis de comportamento que vai do abjeto ao sublime. Além dos dois professores que passam pela classe. Um puro vício,  outra pura virtude. Um que estagna e persegue,  outra que educa e transforma.
Não podemos deixar de mencionar os aspectos sociais presentes na trama que se passa no interior do Canadá no século XIX. Destaquemos aí o preconceito racial na figura de Bash (personagem gigante), o sócio de Gilbert, a colonização dos índios muito bem representada pelo drama da escolarização da pequena indígena e do sofrimento de sua família. Além de muitos outros temas que povoam a tela como a homoafetividade de Tia Josephine e do jovem Cole, almas que se encontram através da amizade de Anne. A ambição que faz com todos fiquem cegos pelo ouro de tolo e mais uma vez salvos pelas astúcias de nossa menina que não aprendeu só com os livros, mas muito também com as experiências da vida, absorvendo cada lição.
Além disso, a série nos reserva cenas belas e fortes como a da amizade de Anne e Diana (o chá delas é um espetáculo), a despedida da esposa de Bash, a descoberta das origens de Anne, o amor de Mathew, as festas na casa de Josephine, as mudanças na vida dos alunos, o jornal da escola, as reuniões das senhoras dentre tantas outras passagens que merecem nossa atenção.
Segundo Anne, com E, e a repetição do seu nome é uma forma de afirmar sua identidade sempre em perigo, “Grandes palavras são necessárias para expressar grandes ideias”, vou parando por aqui porque acho que não há palavras para descrever essa série incontornável, antes de tudo uma história de amor aos livros, uma história de amor à vida...Uma bela pedida para esses tempos de quarentena...




sexta-feira, 27 de março de 2020

Éramos Seis: Um sopro novo na casa da Avenida Angélica

                                                                        Para Aleilton Fonseca e seu amor à boa ficção...

O romance Éramos Seis, de Maria José Dupré, entra para a história da literatura e teledramaturgia brasileira (incluindo uma radionovela) como o livro que sofreu mais adaptações para a televisão. A vida de Dona Lola e sua família foi novamente reescrita para essa nova versão que hoje se findou poeticamente no horário das 18:00h. O romance publicado pela primeira  vez em 1942 conta a história de uma família e sua casa na capital paulista durante 28 anos, entre 1914 e 1942, período compreendido entre as duas Grandes Guerras e suas mudanças sociais vertiginosas. Meu primeiro contato com o livro foi através de sua publicação pela Série Vaga-Lume nos anos 80. Hoje acho que foi uma erro sua inclusão nessa coleção, pois não se trata de um livro juvenil, mas que bom que muitos jovens o leram...
No romance vale destacar o protagonismo da casa, que ganha estatuto de personagem, elemento ressaltado na abertura da novela. Durante anos a família de Júlio e Lola luta para quitar aquela casa, sonho alimentado por anos e objeto de muita discussão e desavença entre o casal. Sacrifícios imensos foram feitos para o pagamento da mesma, só concretizado após a morte do pai e de Carlos, o sangue desse foi parte do pagamento final.
O remake atual, escrito por Ângela Chaves, trouxe muitas novidades para os habitantes da casa da Avenida Angélica, para seus vizinhos, agregados e todos os núcleos da trama. A autora ampliou vários núcleos, costurou temas novos como feminismo, racismo, arte-terapia e desenvolveu com densidade personagens que apenas foram citados no livro ou criou mais figuras e histórias paralelas que enriqueceram a narrativa. A exemplo de Zeca,  marido de Olga, que é construído de leve no livro e foi ampliando de forma incrível na tela com o talento de Eduardo Sterblitch e sua amada, a excelente Maria Eduarda de Carvalho, rendendo belas cenas de humor e amor em Piratininga. Aliás o sítio cresceu bastante nessa versão com  as peraltices das crianças,  a passagem de Justina e as graças de Tia Candoca (maravilhosa Camila Amado) que ganhou ao final dois prêmios: um namorado  e um batom vermelho.
Creio que o mais interessante nessa versão foi a possibilidade de reescrever outros finais, inclusive com a presença de três Lolas em cena (Glória Pires, Irene Ravache e Nicete Bruno) levando em consideração a potência do nosso tempo. O final feliz de Lola ao lado de Afonso foi tecido com as tintas da delicadeza de um amor maduro que teve a paciência da espera e da compreensão como ingredientes, simbolizada pela Carta de São Paulo aos Corintos na cerimônia do casamento.  Foi bonito ver os dois juntos, pensando por um momento na felicidade deles antes das dos filhos. Outro final reescrito com belas tintas foi o de Clotilde, tão sofrida no romance, teve sua felicidade reescrita ao lado do Sr. Almeida.. Além do sucesso de Durvalina como Cantora do Rádio e o encontro com seu filho.
A novela ainda foi muito feliz em trazer para trama novos olhares para as discussões políticas e sociais que permearam a novela através de vários fatos históricos que atravessam a vida dos personagens. Tivemos nessa última semana a prisão de Lúcio (Jhona Burjack, revelação de jovem ator num papel de muita dignidade) numa manifestação que homenageava Rosa de Luxemburgo, tal cena foi motivo para trazer à tona termos como Liberdade de Expressão, Comunismo, Fascismo, palavras que voltaram ao nosso palco, infelizmente em arenas  de bipolaridade feroz, dentre outros momentos que o texto sutilmente dialogava com o calor da hora de hoje.
O capítulo final foi de uma beleza ímpar, todos irmanados na Ceia de Natal na casa de Dona Lola, que novamente voltou às suas mãos. Em lugar da solidão do romance onde Éramos Seis e só restava ela e suas lembranças melancólicas, a novela nos brindou com um Éramos Muitos em torno da mesa, alimentando nossa esperança por dias melhores junto aos nossos afetos nos deliciando com as rabanadas douradas...



domingo, 1 de março de 2020

Por Amor de mãe: para além do maniqueísmo


                              

A novela Amor de mãe tem arrebatado um público ainda fiel ao gênero folhetinesco e alavancado a audiência do horário já não tão nobre assim, mas ainda muito respeitado pelos telespectadores. Com as mudanças ocasionadas pelas redes sociais, já não precisamos esperar o dia seguinte para nas rodas de conversa no trabalho, nas filas do supermercado ou no transporte público  ouvir o que se comenta sobre o capítulo do dia anterior. Agora em tempo real, através da chamada “segunda tela” ou da “social tv” já sabemos o termômetro do capítulo no calor da hora, sejam nos grupos de watts app, sejam nos memes que inundam as redes dentre outros mecanismos do nosso tempo “esquizosimultâneo”, no qual nunca fazemos uma coisa só.

Todavia, para além das formas de partilha da contemporaneidade, o que gostamos mesmo, desde tempos imemoriais, é de uma boa história, com personagens instigantes e cenas que nos emocionam e nesse quesito Amor de mãe tem se destacado positivamente. O sucesso de uma personagem, faz com que ela vire metonímia da novela, assim foi um dia com a novela de Catarina, a novela de Carminha, a novela de Félix e agora com a novela de Lurdes. Lurdes, uma espécie de mãe de todos nós, tem roubado todas as cenas da trama e transitado em praticamente todos os núcleos. A sua força é incrível. Seu texto, caracterização e gestual nos faz morrer de amor por ela, aliás a direção de arte da novela merece prêmio, creio que nunca uma casa de pobre foi tão bem detalhada como a de Lurdes (em eterna obra e feita de remendos com seus objetos que são a cara de um Brasil que muitos conhecem bem).

Voltando ao tema central da novela, o amor incondicional das mães, temos muitas nuances em cena. Há limites para esse amor que beira o maquiavelismo como o de Telma com seus segredos inconfessáveis? Lurdes para ser uma boa mãe para seus filhos deixou para traz a sua mãe, aceitamos? Abandonar um bebê por não poder criá-lo imaginando que terá melhor sorte como a mãe de Camila é compreensível?

Não devemos julgar moralmente a literatura, sim novela é literatura em outro suporte, nos cabe compreender que aquilo é plausível na trama (necessidade de verossimilhança) e a trama é muito bem costurada, aliás todos fios se cruzam na vida das três protagonistas e o tapete é tão bem tecido que dá espaço para todas as personagens secundárias também crescerem e figurarem no grande painel. Penha (que virada) é um grande exemplo disso, ela mesma essa semana em conversa com Magno disse que todos têm seus erros, sem falar do vilão ambíguo e carismático, Álvaro da Nóbrega, que manda matar, chora de amor e ouve ópera.

Nessa semana o epicentro das emoções ficou em torno da volta de Lurdes à Malaquitas para reencontrar sua mãe. Cenas com misto de riso e lágrimas nos brindaram com belas sequências que nos remetem ao estilo da direção de Luiz Fernando Carvalho e das tramas de Benedito Rui Barbosa. A escolha de Zezita Matos como mãe de Regina Casé foi muito feliz (Lurdes podia mesmo ter sido personagem de Velho Chico e irmã de Bento e Santo dos Anjos) e o abraço  das três, avó, mãe e filha foi um quadro de puro lirismo, assim como a morte da matriarca carregada de poesia.

 As três passeando por aqueles caminhos que deram inÍcio à trama, metáfora da origem, só podia dar em outro segredo, a mãe biológica de Camila, que brotou daquele cenário portando revelações que darão continuidade à história. Dona Maria Santos Silva, que outro nome podia ser, falou nessa sequência ao ar livre uma frase lapidar: O impossível acontece todos os dias... Justamente quando a mãe de Camila passava numa carroça, volta ao principio, mais mítico impossível...

Já que nos lembramos de Benedito Rui Barbosa, creio que Manuela Dias também prestou um tributo a Manoel Carlos, o segredo vive nas gavetas, nas cartas e nos diários... Danilo ao arrumar o quarto do seu futuro filho, esbarra com o mistério que rege sua vida e mudará o rumo da novela...para não dizer que não falei de Vitória, personagem que adoro, mãe leoa daquelas com três maternidades em processo, tenho uma queixa  a fazer, ela ficou pobre demais, demais mesmo, não tinha nem uma reservinha, só a casa linda e o closet de sex and city? Uma advogada daquelas ia cair nas mãos de Penha a 25%? Bem botamos na conta do desespero...

São muitas as faces dos amores de mãe, esse sentimento prismático, mas os amores de pai também tem de revelado em Magno,  em Raul, em Davi, em Seu Nuno e no grande Durval, só não conte a ele que não sabe guardar nada....Sigamos! Muitos outros segredos ainda virão à tona nessas  outras páginas da vida...

terça-feira, 21 de janeiro de 2020

Bom Sucesso: Um brinde à literatura e à vida


                                                                                                 Para Lícia Soares de Souza


A relação da telenovela com a literatura é simbiótica desde seu surgimento. A sua origem remonta aos folhetins publicados nos rodapés dos jornais no século XIX. As primeiras tramas exibidas foram adaptações dos clássicos brasileiros (Senhora, A moreninha, A Sucessora dentre outros). Depois passamos para algumas livres inspirações, a exemplo de Fera Ferida, pautada na obra de Lima Barreto, as muitas tramas ligadas aos romances de Jorge Amado (Tieta, Porto dos milagres) ou inspiradas no Romance de 30 (Renascer, Velho Chico). Nos últimos anos, algumas obras têm adotado cada vez mais o processo de citação direta ou indireta, trabalhando a intertextualidade (“todo texto é um mosaico de citações” Kristeva, 1974) em todas as suas infinitas possibilidades. Estratégia criativa elevada à máxima potência em Bom Sucesso, que se finda, infelizmente como todo livro, essa semana, mas continuará ecoando em seus leitores.
Os autores, Paulo Halm e Rosane Svartman, e seus roteiristas igualmente talentosos e certamente bons leitores, investiram com força nesse profícuo diálogo entre os textos de todas as cores, gêneros, nacionalidades e épocas. A novela acolheu inúmeros repertórios culturais, do rap a Cyrano de Bergerac, de Vinicius de Moraes a Fernando Pessoa, da Letra Escarlate a Drummond, do Carnaval à Ópera, dando ênfase a algumas obras-chaves que funcionavam como molas propulsoras da trama, Dom Quixote, Alice no país das maravilhas e Peter Pan, espécies de alter egos dos protagonistas.
A literatura costurou toda a trama, cujo um dos protagonistas, Alberto Prado Monteiro, é um bibliófilo, vivido com toda a maestria por Antônio Fagundes, dono de uma editora em crise financeira, retrato do nosso mercado editorial invadido por celebridades e youtubers. A presença dos textos se corporifica na trama e se enreda na vida das personagens, seja nos devaneios de Paloma a cada nova leitura, seja na tropa de funcionários do Capitão (Captain, my captain) em suas investigações e peripécias a la Sherlock Holmes ou no Satanás Burlesco que se transformou o vilão Diogo.
Nesses últimos capítulos, os diálogos se intensificaram e se tornaram ainda mais sofisticados e belos. O incêndio na editora foi antecipado pela leitura dramática de Farenheit 451 de Ray Bradbury, obra distópica e utópica a um só tempo, que ganhou vida na voz de Fagundes ao passo que as chamas consumiam os livros. Após o fogo, um momento de rara sensibilidade foi encenado sobre as cinzas. Assim como no conto americano, cada personagem escolheu uma obra (com ligação especial com cada papel interpretado) para guardar na memória, espaço no qual estaria protegida para sempre de qualquer tirania, fogo, guerra ou ditadores, e tal como fênix ressurgiram dos escombros. Vale ressaltar nessa sequência, a morte de Gisele e o réquiem cantado para ela por seu amigo William, a emblemática Geni, de Chico Buarque.
A história construída sobre o lastro forte dos livros é também uma ode à vida com suas grandezas e pequenezas, sobretudo, uma acurada reflexão sobre a morte e o tempo através da doença terminal do Seu Alberto. Estamos aguardando o seu grand finale com ansiedade, pois já podemos imaginar a beleza que virá em seu último ato, epílogo de todos nós. A trama revigorou com beleza ímpar o horário das 19, não só pela presença da literatura e do estímulo ao letramento literário dos telespectadores, mas pela vida que pulsa no riso e choro humano, seja nas ruas de Bonsucesso, seja nos corredores das mansões solitárias. Avante, Quixotes de todos os lugares! A novela e a vida nos mostra que a literatura e a arte não cura nossas dores, mas ajuda a suportá-las! Contar e ouvir boas histórias continuará fascinando os homens de todos os tempos, era uma vez, e outra e outra...