sábado, 7 de maio de 2016

Das astúcias do Velho Chico


Velho Chico, em sua atual fase, que se passa no ano corrente, vem sofrendo algumas críticas relacionadas à mudança do tom. Sobretudo, no que diz respeito ao Coronel Saruê. Saiu de cena Rodrigo Santoro, marcado por um perfil mais dramático ao carregar o fado de assumir um papel que não queria, e Surge Antônio Fagundes, personagem mais próxima de uma caricatura que reúne em si um mix de coronéis da ficção e da nossa penosa esfera política. Na sua genealogia destaca-se Odorico Paraguaçu de O Bem Amado, não só pelo tom da oratória e dos exageros, mas também pela remissão às inesquecíveis Irmãs Cajazeiras. O trio já apareceu nas duas festas da fazenda sempre a lhe elogiar, uma bela homenagem a Dias Gomes que soube como ninguém retratar o interior nordestino e a brasilidade.

Afora essa crítica, creio que foram introduzidos novos elementos bem interessantes para dar novos ventos aos rios da ficção. O surgimento do amor encantado de Bento (pungente interpretação de Irandhir Santos, Zelão de volta) e Beatriz ( professora idealista, casa tão bem com a beleza simples de Dira Paes)  é pura poesia.  Abençoado pela linda presença da mãe-benzedeira Ceci ( forte e doce papel de Luci Pereira), vem desviando o nosso olhar do eixo principal de Santo e Tereza, com esse romance místico-carnal. Essa semana viveram uma linda cena. Ela, o fruto maduro a ser colhido no pé de Juazeiro. Ele, a descoberta do amor tardio que chega a transbordar em lágrimas. Lirismo em alta voltagem a nos emocionar(Vixe, minha mãe!).

Outro aspecto digno de nota foi a solução encontrada pelos autores para substituir o Padre Romão. Com o falecimento do ator (Umberto Magnani), os autores se viram diante de uma das marcas que definem a natureza da telenovela como Obra Aberta (Umberto Eco), a possibilidade de mudanças imprevisíveis durante a trama. Eis que surgiu Padre Benício (magistral Carlos Vereza), que ao ser questionado pela ausência do colega, informa que “ele saiu sem se despedir de ninguém”, que bela metáfora para a morte repentina que chega sem avisar, essa “indesejada das gentes”. E ainda explica que eles têm a mesma formação e preocupações sociais.  Chico Criatura (Gésio Amadeu), personagem importantíssimo para a costura da trama porque tudo ouve e tudo vê do seu balcão, resumiu a mudança com o ditado popular: “Então trocamos seis por meia dúzia”, ou seja, o papel do padre será tocado em frente sem prejuízos para a narrativa. E nós aceitamos o pacto do fingimento e já nos confessaríamos com o novo padre.

A chegada de Miguel (Gabriel Leone) também balança as novas águas. Idealista, imbuído de todo um discurso ecológico, porá em dúvida as certezas arcaícas do avô e traz frescor para a história, com seu modo humanista de ver o mundo. Além de sua paternidade problemática e do complexo de Édipo evidente, tudo indica que essas inclinações ideológicas o levarão ao encontro de seu pai biológico e a um possível indício de um romance incestuoso com a irmã (creio que Luzia, patológica como mais uma mulher que ama demais, terá que desenterrar o segredo das cartas). Seu horizonte de ideais se alinha muito mais ao modelo econômico da Cooperativa que ao dos latifúndios, é a força do sangue que o atrai.

E por falar em sangue, o retorno de Martim (Lee Taylor) em busca de sua história de vida através da família materna, também tem rendido belas sequências. A viagem inóspita ao passado, as memórias vistas pelas lentes de sua câmera e os depoimentos de narradores orais bem simbólicos (o velho, o cego) contribuíram em muito para a beleza da narrativa e vão construindo com pequenos retratos o album da família que ele desconhece.

Sigamos pela Gaiola Encantada da ficção ao sabor das benzeduras e garrafadas de Dona Ceci...

 

 

15 comentários:

  1. Excelente guia para adentrar e nadar nas águas de "Velho Chico". Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Caro Mestre, pela sua leitura ilustre e por ter se rendido às águas desse Rio!

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  3. Alana, como sempre, uma análise perfeita. Muito bom assistir à novela e ler seus comentários. Obrigada.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. Sua sensibilidade nos faz enxergar detalhes que fogem ao nosso olhar de meros espectadores. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, é um prazer tê-la por aqui! Continuemos nossa prosa!

      Excluir
  6. Até que enfim! Já estava agoniada a espera desse texto que traduz direitinho essa obra belíssima! Adorei e espero o próximo! Senti falta da análise sobre o pescador frustrado e sua fiel esposa! Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carol,estava no scripit falar deles(Macabeia e Olimpio), mas ia ficar longo demais para hoje. Estou de olho neles!Obrigada pela parceria especializada!

      Excluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. Alana, tens sido a Oxum aqui nessA terceira margem. A volta de Martin nos trouxe uma poesia pura... necessária, na contramão do que o Saruê deve ter vociferado quando de sua partida do casarão dos de Sá Ribeiro: "Cê vai, ocê fica, você não volte!"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, amigo, parceiro de lirismo e hábil navegador dessas águas... A arte é a Terceira Margem do Rio...E nessa cidade todo mundo é de Oxum!

      Excluir
  9. Amei o texto!! Não estou gostando tanto da segunda fase, mas a trilha sonora, a fotografia, as paisagens, as cenas de Bento e Beatriz me prendem muitas vezes!! E, então, me perco olhando o rio e desejando ter vivido por aquelas bandas de lá, tão lindas que são.

    ResponderExcluir