Instagram

https://www.instagram.com/entretelasblog/

quarta-feira, 31 de julho de 2019

Bom sucesso: Uma ode vivificante aos livros



              “ Ver muito e ler muito aviva o engenho do homem.” Miguel de Cervantes

Estreou nessa última semana de julho a nova trama das 19:00h, Bom Sucesso, da autoria da dupla Rosane Svartman e Paulo Halm que já mostraram seu talento  na divertida Totalmente Demais. Os dois primeiros capítulos foram muito bem construídos e nos convidam a continuar acompanhando a trama. Com muita clareza já nos situaram na estrutura do enredo e nas linhas de força das principais personagens.

Os mundos distintos de Paloma (Grazi Massafera, crescendo a cada dia como atriz) e Alberto (o indiscutível Fagundes) irão se cruzar através de um laudo de um exame de sangue trocado. A simples e batalhadora costureira do bairro de Bonsucesso (trocadilho com o título) recebe o diagnóstico fatal que pertence, de fato, ao empresário dono da editora Prado Monteiro. Esse fato inusitado muda a vida dos dois. Ela acha que morrerá em breve, ele se sente revigorado com o falso resultado. Universos completamente diferentes do ponto de vista social se encontrarão através de um erro técnico de leitura, tema que sustenta de forma poética a trama. Todavia, há um ponto de contato entre eles: o amor aos livros.

O enredo, com o comércio editorial como centro, é uma ode à literatura. A protagonista Paloma, embora não tenha conseguido realizar o sonho de cursar uma faculdade, é apaixonada por livros e foge do cotidiano sofrido pelas asas da imaginação forjada pela ficção. Seus três filhos têm nomes de personagens emblemáticos Alice, Gabriela e Peter. Já nesse inicio vimos citações literárias  motivadas pelo enredo contado.

Numa cena inicial, Alberto falou sobre um livro que é uma releitura da Microfísica do Poder de Michel Foucault, trama que discute os meandros sinuosos do poder, uma alusão à situação de sua empresa com a iminência de falência e problemas de sucessão entre os filhos. Em outro momento, ele em discussão com o filho por discordar do seu estilo de vida longe dos negócios, comentam Dom Quixote, e seu filho lê um trecho. O filho quixotesco tenta convencer o pai, Sancho Pança, de suas escolhas.

Paloma para consolar sua filha das desilusões afetivas e por ter se atrasado para o ENEM (tema muito oportuno) retoma Alice no país das maravilhas, obra responsável pelo nome da menina. E adivinhem? A jovem quer cursar Letras! Alice é a representação da possibilidade de viver outros mundos através da imaginação.

 Imaginação que guiará Paloma numa cena linda de volta ao passado para tentar corrigir seu erro de dezessete anos atrás. A mulher de hoje aconselha a menina de ontem, momento de raro lirismo com uma iluminação belíssima. Encontro só possível para quem sabe ouvir estrelas...

Vale notar também o alarme falso da gravidez de Alice, que ainda bem só durou algumas horas. Tudo não passou de um erro de leitura das benditas listinhas azuis, identificadas pelo curioso Peter. Ainda é muito cedo, mas  recebo com imensa alegria essa novela que escolheu trazer para os holofotes o universo dos livros, e como os bons livros q nos pegam logo pelo começo, acho que não será um erro de leitura.

P.S. Os autores trabalharam muito bem as referências literárias em Totalmente Demais, sejam bem-vindos de novo!





3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Realmente, eu concordo plenamente com você, faz muito que não assisto novelas por achar as tramas enfadonhas e repetitivas, o mal sempre perseguindo os protagonistas e finais decepcionantes, espero que esta novela me surpreenda, pois a Dona do pedaço está se transformando em um fiasco repetitivo e sem expressão.

    ResponderExcluir
  3. A novela Bom Sucesso está dando um show no incentivo à leitura. O que falar da personagem Paloma que alça voos na literatura. E Alberto que para fugir do drama que enfrenta,lança mão de verdadeiras obras primas e viaja ,nos fazendo deliciar com sua leitura.

    ResponderExcluir