Instagram

https://www.instagram.com/entretelasblog/

quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Segunda Chamada, Segunda Temporada, Segunda Chance: “Eu nunca mais vou te esquecer”

 

A segunda temporada da série Segunda Chamada entrou no ar na Globoplay há poucos dias e já aquece corações e anima reflexões por todo país. Escrita por Carla Faour e Julia Spadaccini, com direção de Joana Jabace, esses novos seis episódios continuam revelando, com tensão dramática e doses de lirismo, o cotidiano de uma escola pública noturna com todas as suas carências e possibilidades.

Dessa vez a escola lida com um problema que tem atingindo o turno da noite em vários cantos do Brasil, o baixo número de matriculas, ou seja, a falta do interesse dos alunos em buscar essa escola por diversas razões pessoais e, sobretudo, sociais. Diante disso, muitos colégios são ameaçados de fechar. A partir desse mote, a Professora Lúcia, magistral Débora Bloch, toma para si a missão de encontrar mais alunos para que a escola não se acabe e que aqueles poucos que estão ali também não desistam.

Movida pela hybris que lhe é característica, ela nuca desiste e não permite ser subjugada pelos limites que lhe impõem, vai buscar em um grupo de moradores em situação de rua seus novos alunos. E, para a surpresa, repulsa e espanto de muitos, ela consegue incluir aquelas pessoas invisíveis na lista da Segunda Chamada, da Segunda Chance, da escola e da vida. Esse grupo, liderado por Hélio (Ângelo Antônio com sua força frágil que já conhecemos e adoramos), o sol daquelas almas, vai protagonizar grandes cenas dessa temporada. Por trás daqueles corpos sujos e rejeitados há uma profusão de histórias de vida que merecem ser ouvidas. Aquelas pessoas sem nome, sem endereço, sem documentos, terão seu espaço na Carolina Maria de Jesus.

Outros conflitos também são encenados nas salas de aula, preconceitos de toda ordem, contra o índio, contra o nordestino, contra o idoso, contra os novos alunos que não têm casa. Percebemos que o grande conteúdo daquela escola não está no Português de Lúcia, na Matemática de Eliete, na História de Sônia ou nas Artes de Marco André, mas nas múltiplas intervenções que os mestres fazem para que a maior lição seja aprendida, a convivência com o outro. A alteridade é o conteúdo primordial que atravessa essa trama.

Não poderia falar em idoso, sem destacar o papel de seu Gersinho, vivido de corpo e alma pelo veterano Moacyr Franco, sempre habituados a vê-lo nos fazer rir, tomamos um susto com a grandeza dessa personagem que sofre do Mal Alzheimer e quer realizar o sonho de terminar seus estudos antes que toda memória se esvaia. E olha, Carla e Júlia, se vocês não o botassem para cantar, eu ia ficar frustrada, que cena fenomenal. A música será usada como recurso mnemônico em um momento crucial, “ eu nunca mais vou te esquecer”...

Como em toda boa trama, há de ter os elementos folhetinescos, amor, morte, sonhos, segredos do passado, drama e afins. Sem dúvidas todos esses desfilaram em nossa tela ou em nossa telinha nos fazendo chorar de riso e de dor. O casal Sônia e Marco André (Hermila Guedes e Silvio Guindane, obrigada!) vai viver seu amor difícil com direito ao céu e o inferno em poucas horas sob a voz de Edith Piaf que já é suficiente para nos comover. Mais não digo...E por falar em música, a trilha sonora é um espetáculo à parte.

Como professora de Literatura preciso elogiar as aulas de Lúcia, a sequência na qual os alunos leem Grande Sertão: Veredas é belíssima. Ela alfabetizando Dona Néia é comovente, enquanto  mostra o A, Ana Maria Braga aparece na tela da pequena TV e é com música que a aluna avança alegremente em sua alfabetização. Aquela mulher que saber ler a vida, lerá também as letras e os livros que ela vende agora lhes pertencerão.  Método Paulo Freire na veia. Além, obviamente, das aulas e dos exercícios de Teatro de Marcos André que faz com que os alunos sejam protagonistas de suas tramas seja qual for o texto.

Ainda é preciso destacar quantas outras discussões contemporâneas e eternas são trazidas para o chão da escola, a pobreza menstrual, o alcoolismo, os subempregos, a moradia, a queima dos livros, a homofobia, a violência contra a mulher sob várias formas (Leandro!!!!), a acessibilidade, o difícil papel de diretor e administrar múltiplos problemas diariamente (Paulo Gorgulho, nota dez com louvor e distinção), o descaso das autoridades com a educação, representado pela brilhante alegoria da rachadura do prédio, não adianta remendos, “é estrutural”, mas mesmo assim como diz Lúcia “Educar não é sobre vencer, é sobre resistir, é sobre acreditar que as coisas podem mudar.” E todos os dias milhares de Lúcias saem de suas casas com o sol brilhando e voltam a noite exaustas, mas cientes de que fizeram algo por alguém... No reino da ficção é possível dizer muitas verdades...E Apesar de vocês, amanhã há de ser outro dia...

2 comentários:

  1. Que lindo, Pró! Vontade de largar tudo e ir assistir, mas Aurélia me lança um olhar implacável e volto, resignadamente, para "Senhora"... Obrigada por essa leitura tão reveladora. ❤️

    ResponderExcluir