quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Entre o sangue e o destino: Velho Chico e seus diálogos


A famosa sentença de Tolstoi no início de Anna Karenina (1877) “As famílias felizes parecem-se todas; as famílias infelizes são infelizes cada uma à sua maneira” poderia ser uma epígrafe perfeita para alguns dramas vividos pelas personagens principais de Velho Chico. A novela tem como pedra fundamental a rivalidade entre duas famílias e explora sob diversos ângulos seus dramas coletivos e individuais. Família em primeira instância remete a sangue, signo definidor desses laços. A ideia de sangue e todos os sentidos que desse elemento, tão concreto e tão simbólico, podem emergir circula com força na narrativa.
 
 O sangue aparece através de várias situações e sentidos. Seja de forma indireta, através da preocupação com a sucessão do clã dos Sá Ribeiro tão fortes na falas de Dona Encarnação (Martim, herdeiro biológico x Carlos Eduardo, herdeiro social) ou de forma mais explícita, como nas cenas da emboscada e suposta morte de Santo com Tereza e Miguel “lavados” com seu sangue, ou nas várias possibilidades de vingar e honrar o sangue já derramado. Mas ainda há outro elemento que mexe também com essa simbologia, a possibilidade de incesto entre Olívia e Miguel. Daí sai de cena Tolstoi e entra Eça de Queirós e seus Maias.
 
No famoso romance de 1888, ao traçar magnificamente um painel da aristocracia portuguesa através da família Maia, Eça põe em discussão o tema do incesto, assunto tão tabu na nossa cultura. Velho Chico, como um bom rio que é, bebe em muitas águas e em muitas fontes e realiza muito bem o princípio da intertextualidade das mais diversas formas. O drama dos “irmãos” na novela, para nossa moral e consciência tranquila, não será o mesmo dos irmãos da Maia, Maria Eduarda e Carlos Eduardo.
 
Os nossos jovens conheceram-se e apaixonaram-se, e ao descobrir o parentesco, foram maltratados pelo destino que ordenava o fim daquele desejo pecaminoso. Olívia e Miguel sofreram copiosamente por não poder viver aquele amor. Já os portugueses também se conhecem e se apaixonam, vivem uma relação ardente e só descobrem depois que são irmãos separados na infância pela leviana mãe, Maria Monforte. Benedito Ruy Barbosa e sua equipe colocaram tintas novas nesse quadro, sobretudo no momento da revelação.
 
Em Os Maias, Carlos descobre o parentesco e vai ao encontro da amante e agora irmã para contar da tragédia que foram vítimas, mas sucumbe ao desejo e tem mais uma noite com ela já sabendo da verdade, então há um incesto de fato nessa ocasião, já que antes desconhecia. Em Velho Chico, Olívia descobre que não são irmãos através de sua mãe, que numa cena comovente, liberta sua filha daquela angústia e também se liberta das mentiras que a sufocavam. Olívia vai ao encontro de Miguel, que ainda sem saber, não resiste e enfim dá-lhe o beijo tão adiado na ainda irmã, e é claro que ela sem culpa alguma corresponde (ela e nós já sabíamos, portanto, não houve incesto). Só então  conta a verdade redentora que a permite viver seu amor, mas a afasta do sangue dos Anjos e de ser filha do homem que tanto admira. São os encantos da ficção a contar e recontar as mesmas histórias de modos diferentes.
 
Outra força que movia Os Maias e também os dois clãs da novela é a noção do destino(uma crítica de Eça ao cientificismo cego), que as coisas acontecem porque tem que acontecer, regidas por leis superiores que desconhecemos e quem ousa duvidar desse fado paga caro, como vários mitos gregos nos contam ao longo dos séculos. Luzia ousou mexer no destino de Santo e Tereza e está pagando com seu sacrifício. Saruê, Cícero e Carlos Eduardo igualmente tentam separar o casal e eles reatam o amor. Na cena do resgate de Santo na aldeia por Tereza, a índia, uma espécie de sacerdotisa, reconhece a ligação dos dois e afirma que ficarão juntos, não se sabe quando, reafirmando a primazia do destino sobre as ações e intervenções humanas.
 
Por falar no resgate de Santo, todas as cenas desde o momento de sua “morte” foram muito sofisticadas e carregadas de outras menções literárias e míticas. A emboscada teve um quê de Jorge Amado e mais ainda de Adonias Filho e a idéia de morte e ressurreição foi atravessada por mitos gregos e dos nossos também. Desde a barca de Caronte fazendo a jornada entre o mundo dos vivos e os dos mortos ao Nego D’água evocado por Dona Ceci (benzedeira, figura tão cara na nossa cultura, sibila sertaneja), os rituais de pajelança, o diálogo entre os dois mundos, mostrado em paralelo com as almas de Santo e Tereza (ela de branco) e enfim o retorno de Santo ao mundo dos vivos após os apelos de sua amada...Ou se preferirmos mais um mito revisitado, Orfeu e Eurídice, que no sertão do Brasil seria Eurídice e Orfeu, pois é ela quem o busca no além...Continuemos a nos afogar nesse rio de histórias...
 
P.S. Em breve falaremos de Justiça, esse soco seco no estômago, no coração e na consciência...
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

21 comentários:

  1. Como sempre,comentário excelente! Amei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, sinto que estou ganhando uma pensadora de novelas também!!!

      Excluir
  2. Nossa como você escreve bem Alana. Adorei esse paralelo com Os Maias - já o tinha percebido e comentado -, e com a mitologia grega, simplesmente fantástica a sua percepção. Outra coisa que me chamou a atenção é a repulsa que o coronel Saruê tem pelo filho por ele ter sido o "responsável" pela morte da sua esposa, o mesmo motivo utilizado por Thomas Mann em Os Buddenbrook.
    Depois de ler os seus textos tenho ainda mais vontade de assistir à novela. Parabéns mais uma vez. Ficarei ansioso ao aguardo das suas impressões acerca de Justiça, realmente um soco em nosso estômago, ontem mesmo nem consegui assistir ao fim do episódio, aquele vizinho estava me dando nos nervos, de tanta raiva fiquei nervoso e desliguei a televisão.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. É um prazer ter um leitor tão refinado...ainda não li Os Buddenbrook, devendo essa leitura, mais um na fila.Continuemos...

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Alana...
      Eu escrevi aqui, mas o corretor não ajuda... Por isso apaguei.

      Mas quero lhe dizer que assitir a novela sabendo q logo mais poderemos dialogar de maneira inteligente e vendo além do óbvio é simplesmente maravilhoso.

      Obrigada por nós presentear com essa riqueza.
      Adorei a alusão q vc a Ana Karenina. A afirmação incial do livro vai como uma luva na abordagem sobre essas famílias que nos encantam em torno das águas do grande rio.

      Beijos. Sucesso.
      Escreva mais.

      Excluir
    3. Obrigada, Fabiana! Fico feliz com sua leitura atenta. Pois multipliquemos esse nosso olhar por aí!

      Excluir
  5. Maravilhoso o seu texto, Alana. Um olhar que descortina a qualidade da trama. Fico pensando nos que dizem que a novela é um "folhetim barato" para os menos escolarizados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jeane, vou parafrasear o ditado...barato está nos olhos de quem vê rssss...Vamos ampliando nossos horizontes ao lermos de tudo um pouco e fazendo nossas escolhas! Obrigada pela leitura atenta e sensível!

      Excluir
  6. Maravilhoso o seu texto, Alana. Um olhar que descortina a qualidade da trama. Fico pensando nos que dizem que a novela é um "folhetim barato" para os menos escolarizados.

    ResponderExcluir
  7. Alana, desta vez, você me surpreendeu mais ainda. Seus comentários primam pela riqueza de detalhes . Parabéns.

    ResponderExcluir
  8. E vc é uma leitora e espectadora refinada!Continuemos!

    ResponderExcluir
  9. Muito bom, realmente é de uma riqueza literário ímpar esta novela, mas seu olhar vai além das leituras ou da intenção do autor, mesmo porque os telespectadores não tem estas leituras para tão rica comparação, a maioria estavam torcendo e até adivinhando uma traição, talvez mais a Nelson Rodrigues onde as mulheres sempre cometem adultério. Foge à compreensão , pelo menos a minha, que uma mulher que fez tudo para ficar com o homem que Ana o traiu. Estou decepcionada.

    ResponderExcluir
  10. Muito bom, realmente é de uma riqueza literário ímpar esta novela, mas seu olhar vai além das leituras ou da intenção do autor, mesmo porque os telespectadores não tem estas leituras para tão rica comparação, a maioria estavam torcendo e até adivinhando uma traição, talvez mais a Nelson Rodrigues onde as mulheres sempre cometem adultério. Foge à compreensão , pelo menos a minha, que uma mulher que fez tudo para ficar com o homem que Ana o traiu. Estou decepcionada.

    ResponderExcluir
  11. Olá, Mara. Que bom vc. por aqui de novo! Me parece que Luzia com o seu "amor patológico" o traiu como parte do seu plano para a conquista, através da gravidez ele ficaria com ela, um tipo de maquiavelismo...A novela é muito boa mesmo, considero acima da média e creio que muitos rejeitem, justamente porque ela tem uma linguagem mais sofisticada e menos realista em alguns momentos. Sigamos afinando nosso olhar e nosso deleite!

    ResponderExcluir
  12. Suelane Santiago Lima26 de agosto de 2016 16:50

    Professora Alana,amei o seu comentário.Esse paralelo com outras obras,bastante sábio, diga-se de passagem, possibilita a nós leitores uma viagem entre a literatura e a ficção...Deixo aki meus parabéns pela iniciativa e a minha ansiedade para ler as próximas sábias palavras da senhora.
    Bjsss
    Suelane Santiago Lima

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, seja bem-vinda sempre! Continuemos a tecer mais diálogos...

      Excluir
  13. Pró, que tristeza o dia de hoje ao ver que a vida imita a arte. Triste ironia.
    Um abraço a você que nos brindou e agraciou com sua análises e também despertou o desejo e a valorização da teledramaturgia através dos bastidores do enredo de Velho Chico.
    Infelizmente o nego D'Água e nem os índios salvaram o nosso herói. Que Santo (Domingos Montagner) descanse em paz.

    ResponderExcluir