Instagram

https://www.instagram.com/entretelasblog/

terça-feira, 21 de janeiro de 2020

Bom Sucesso: Um brinde à literatura e à vida


                                                                                                 Para Lícia Soares de Souza


A relação da telenovela com a literatura é simbiótica desde seu surgimento. A sua origem remonta aos folhetins publicados nos rodapés dos jornais no século XIX. As primeiras tramas exibidas foram adaptações dos clássicos brasileiros (Senhora, A moreninha, A Sucessora dentre outros). Depois passamos para algumas livres inspirações, a exemplo de Fera Ferida, pautada na obra de Lima Barreto, as muitas tramas ligadas aos romances de Jorge Amado (Tieta, Porto dos milagres) ou inspiradas no Romance de 30 (Renascer, Velho Chico). Nos últimos anos, algumas obras têm adotado cada vez mais o processo de citação direta ou indireta, trabalhando a intertextualidade (“todo texto é um mosaico de citações” Kristeva, 1974) em todas as suas infinitas possibilidades. Estratégia criativa elevada à máxima potência em Bom Sucesso, que se finda, infelizmente como todo livro, essa semana, mas continuará ecoando em seus leitores.
Os autores, Paulo Halm e Rosane Svartman, e seus roteiristas igualmente talentosos e certamente bons leitores, investiram com força nesse profícuo diálogo entre os textos de todas as cores, gêneros, nacionalidades e épocas. A novela acolheu inúmeros repertórios culturais, do rap a Cyrano de Bergerac, de Vinicius de Moraes a Fernando Pessoa, da Letra Escarlate a Drummond, do Carnaval à Ópera, dando ênfase a algumas obras-chaves que funcionavam como molas propulsoras da trama, Dom Quixote, Alice no país das maravilhas e Peter Pan, espécies de alter egos dos protagonistas.
A literatura costurou toda a trama, cujo um dos protagonistas, Alberto Prado Monteiro, é um bibliófilo, vivido com toda a maestria por Antônio Fagundes, dono de uma editora em crise financeira, retrato do nosso mercado editorial invadido por celebridades e youtubers. A presença dos textos se corporifica na trama e se enreda na vida das personagens, seja nos devaneios de Paloma a cada nova leitura, seja na tropa de funcionários do Capitão (Captain, my captain) em suas investigações e peripécias a la Sherlock Holmes ou no Satanás Burlesco que se transformou o vilão Diogo.
Nesses últimos capítulos, os diálogos se intensificaram e se tornaram ainda mais sofisticados e belos. O incêndio na editora foi antecipado pela leitura dramática de Farenheit 451 de Ray Bradbury, obra distópica e utópica a um só tempo, que ganhou vida na voz de Fagundes ao passo que as chamas consumiam os livros. Após o fogo, um momento de rara sensibilidade foi encenado sobre as cinzas. Assim como no conto americano, cada personagem escolheu uma obra (com ligação especial com cada papel interpretado) para guardar na memória, espaço no qual estaria protegida para sempre de qualquer tirania, fogo, guerra ou ditadores, e tal como fênix ressurgiram dos escombros. Vale ressaltar nessa sequência, a morte de Gisele e o réquiem cantado para ela por seu amigo William, a emblemática Geni, de Chico Buarque.
A história construída sobre o lastro forte dos livros é também uma ode à vida com suas grandezas e pequenezas, sobretudo, uma acurada reflexão sobre a morte e o tempo através da doença terminal do Seu Alberto. Estamos aguardando o seu grand finale com ansiedade, pois já podemos imaginar a beleza que virá em seu último ato, epílogo de todos nós. A trama revigorou com beleza ímpar o horário das 19, não só pela presença da literatura e do estímulo ao letramento literário dos telespectadores, mas pela vida que pulsa no riso e choro humano, seja nas ruas de Bonsucesso, seja nos corredores das mansões solitárias. Avante, Quixotes de todos os lugares! A novela e a vida nos mostra que a literatura e a arte não cura nossas dores, mas ajuda a suportá-las! Contar e ouvir boas histórias continuará fascinando os homens de todos os tempos, era uma vez, e outra e outra...

13 comentários:

  1. Super! Isso mesmo, amiga. Muito bom mesmo. E Bom sucesso fez um letramento literário de sucesso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, amiga, a novela foi um agente de letramento potente e delicioso!

      Excluir
  2. Vou ler agora. Mas já sei que será de alta qualidade. Esta tem sido a sua marca registrada. E mais ainda, essa impressão é unânime, conforme vejo nos retornos.

    ResponderExcluir
  3. Puxa, Alana, agora que li seu comentário fiquei triste. Não costumo assistir novelas, porque durante um só capítulo deixo de ler quase cinquenta páginas de coisas essenciais que ignoro. Aí fica o drama: leio ou vejo TV? Mas, pelo seu comentário, perdi muita coisa boa. Se correr o bicho pega...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Cid, divido meu tempo de fruição e aprendizagem entre os livros e as telas. Essa novela foi um banquete intertextual, você iria adorar! Obrigada por sua leitura!

      Excluir
  4. Que análise linda! Bom sucesso é biscoito fino (termo que ouvi em uma aula sua). Cada capítulo foi realmente um brinde à literatura e à vida. Até sexta-feira terei que renovar diariamente minha produção de lágrimas para as próximas cenas e para os belos diálogos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara Mila, leitores e espectadores como você é que são biscoitos finos e que merecem esse banquete que Bom Sucesso nos ofereceu! Continuemos em busca de boas histórias...

      Excluir
  5. Uma pena que a novela está chegando ao fim. Realmente uma grande produção da teledramaturgia, focada na literatura. Show de texto!

    ResponderExcluir
  6. Ainda que fora do tempo real do seu envio, li e aplaudo sua análise, Alana!
    Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir