Instagram

https://www.instagram.com/entretelasblog/

quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

Dois Papas, Dois Homens: Confissões sem gelosia


                                                                         Para Mirella Márcia Lima




O filme Dois Papas estreou dia 20-12-2019 como um presente de Natal para os amantes das boas histórias. Dirigido pelo nosso talentoso Fernando Meirelles, com roteiro de Anthony McCarten e atuações impecáveis de Anthony Hopkins e Jonathan Pryce nos papéis que nomeiam a trama e protagonizam toda a narrativa, Papa Bento XVI e Papa Francisco.
Em 2012, na Argentina, o então cardial Jorge Bergoglio está decidido a se aposentar das suas funções e solicita um encontro com o Papa Bento no Vaticano para concretizar seu desejo. Já de passagem comprada sem saber se seria recebido ou não, ele recebe um convite do Sumo Pontífice, que depois será interpretado com um sinal divino. Ao chegar ao Vaticano, seu pedido é rejeitado pelo seu superior sem uma explicação plausível, nem sequer imaginaria ele a razão do chamado. Após longas conversas, Bento lhe revela o seu plano de renunciar ao papado e sua intenção de deixá-lo em seu lugar.
São exatamente essas longas conversas e os muitos silêncios que constituem toda a estrutura e beleza do filme. Esses dois homens tão diferentes vão travar longos diálogos (ora monólogos) que faz com que nos adentremos no íntimo de cada um deles, conhecendo seus vícios e virtudes, seus anjos e demônios, dois homens de carne  e osso e dúvidas. Sim, a trama tem um quê de maniqueísmo, pendendo a princípio o pêndulo do bem para Francisco. Todavia, na medida em que a trama se desenvolve, veremos que os dois andaram pelas sombras do vale da morte e que temos em cena duas figuras humanas densas que vão aprendendo um com o outro, pois assim como nas confissões, um dos eixos da história é o exercício da escuta.
As conversas e os silêncios vão ganhando o tom de confissões, de segredos sussurrados, e em alguns momentos um irá absolver o outro de seus pecados, pois ambos são atormentados por palavras, ações e omissões. Bento, a questão problemática da pedofilia. Francisco, os fantasmas da ditadura argentina. Aliás, as cenas em flashback cinzentos desse período são um dos pontos mais altos do filme juntamente com a fala amargurada do ainda Cardial que ousa questionar: “-Onde Deus estava durante a Ditadura da Argentina?”, eco da mesma frase proferida pelo Papa Bento quando visitou o Museu do Holocausto, ambas falas ecos de "Pai, por que me abandonaste?"...
Destaque-se também no filme, os bastidores políticos das eleições dos Papas (Habemus Papam!), o papel da imprensa, a trilha sonora, o futebol de um, a série do outro, as imagens imponentes do Vaticano em contraste com a realidade vivida por Jorge Bergoglio que fez a opção de viver entre os humildes e ser igualmente humilde, enquanto o outro prefere a distância e a solidão ao convívio com seus subalternos e fiéis.. A cena das malas, dos sapatos e dos trajes em sua posse é simbólica de sua opção, bem como a refeição solitária e a introspecção apontam para a natureza de Bento. Metáforas de duas linhagens de poder em jogo, jogo simbólico entre Alemanha e Argentina, jogo entre um Cristo no altar e um Cristo nas ruas junto aos povo. Parece haver um tabuleiro invisível entre esses dois homens que disputam entre si os rumos do catolicismo e de suas vidas. Vale também notar, que esse drama histórico bibliográfico reserva algumas cenas de rara beleza que tocam de leve o humor, a exemplo do momento da pizza com Fanta, da final da Copa do Mundo ou do glorioso Tango na despedida.
Nós vivemos um momento histórico único, vimos um Papa renunciar, para outro Papa assumir, portanto, assistimos a Dois Papas vivos. E agora temos a chance de ver essa história real ser retratada pelas tintas da ficção com tamanho cuidado estético e vigoroso diálogo com o real que nos põe contritos diante da magia da arte. Bem como estamos vendo, sob a égide de Francisco, a Igreja ganhar sopro novo. 
Habemus Papam Pop e por mim também Habemus Oscar! Amém!


7 comentários:

  1. Estou grata a Fernando Meireles por ter provocado o belíssimo texto de Alana Freitas. Adorei o filme, mas detalhes que me escaparam agora brilham, vestidos pelas palavras sensíveis de Alana. Vi melhor a função do jogo, a gramática dos contrastes. Análise arguta. Linguagem simples, portadora de rara densidade. Por tudo isso, a dedicatória foi um rico presente de Natal. Obrigada, Alana Freitas El Fahl

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, caríssima Mirella. O filme é um presente para amantes de boas narrativas como nós. Continuemos sempre juntas sempre a jogar o jogo da análise literária.

      Excluir
  2. Olá bom dia !
    Alana ainda n assisti esse belíssimo filme ! pelo quê vc relata ...mas já me senti atraída pelo mesmo .

    ResponderExcluir
  3. Já assisti, realmente muito bom, o que mais chama a atenção é que ele já estava predestinado a ser o Papa, quanta humanidade, sou admiradora deste homem que só plantou o bem, erros todos nós cometemos, afinal somos espíritos vivendo uma experiência terrena. Ótima análise querida, Deus te abençoe sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, caríssima Mara. Papa Francisco tem sido um alento nesse mundo inóspito. O excelente filme fez justiça à sua humanidade e revelou um Bento também humano ao seu modo.

      Excluir
  4. Isso mesmo. Abordagem muito sensível e humana. Assim como Bohemia rapsódia, Dois Papas soube conduzir a narrativa sem levantar polêmicas e nos conduzindo a importantes questionamentos sobre os rumos da Igreja Católica e do pensamento cristão.

    ResponderExcluir
  5. Obrigada pela leitura. De fato, o que ressai no filme é a humanidade desses dois homens.

    ResponderExcluir