Instagram

https://www.instagram.com/entretelasblog/

quinta-feira, 21 de maio de 2020

This is us: Sim, esses somos nós também



Para Denison Monteiro que me indicou e para minhas sobrinhas Maria Victória e Renata que também  se apaixonaram  por essa história




A série This is us, em exibição na Amazon prime, tem todos os ingredientes de uma boa história. História daquelas que te prendem do começo ao fim e deixam ao final de cada episódio o desejo incontrolável de continuar acompanhando a trama. As boas narrativas não são boas só pelo que nos contam, mas, sobretudo, como elas nos contam. O famoso casamento feliz entre forma e conteúdo que nem todos os livros ou filmes alcançam. E essa comunhão entre forma e conteúdo é alcançada com maestria por essa belíssima série dirigida por Dan Fogelman que acompanha o cotidiano de uma família americana por 04 décadas mostrando como o passado interfere no presente. Aí está um dos seus pontos mais altos, a narração simultânea dos dois tempos.
As histórias das famílias com todos os seus momentos de drama e comédia é um pouco a história de todos nós. Umas famílias pendendo mais para a dor outras para o riso, equilibrando o amargo do limão e o doce da limonada como ensina Dr. K.  É claro que todas elas têm boas histórias para contar, segredos a esconder, fatos para lembrar e outros tantos para esquecer nas gavetas, nas cartas, nos retratos esquecidos. Assim são os Pearson, uma família de Pittsburgh, formada pelo casal Jack (Milo Ventimiglia) e Rebecca (Mandy Moore) e pelos trigêmeos Kevin (Justin Hartley), Kate (Chrissy Metze), Randall ( Sterling k. Brown).
O fato desencadeador da trama é o nascimento dos trigêmeos. Nesse dia um dos bebês morre (Kily) e nesse mesmo instante um recém-nascido é abandonado no Corpo de Bombeiros e levado ao hospital. Tal acaso, ou não, determinará a formação daquela família que adota o bebê em substituição ao que morreu (temos vários acasos na série que mudam radicalmente os destinos das personagens). Assim temos os trigêmeos iguais e diferentes, aceitos e rejeitados, some-se o detalhe que será um dos motores da história, que o menino adotado é negro.
É notável o esforço dos pais para criá-los com igual amor e oportunidades e o esforço hercúleo para dar tratamento individualizado a cada um deles, atentos para intervir ao menor problema. O casal Jack e Bec, vivem uma das mais belas histórias de amor que já vi, ambos vem de lares problemáticos e desejam dar aos filhos uma infância perfeita e parecem chegar bem perto disto, não fossem os pontos de vista e percepção de cada um dos filhos sobre os mesmos fatos vivenciados. E chega uma hora em que cada personalidade começa a se mostrar e exigir suas diferenças, como na festa de dez anos deles quando as crianças pedem festas individuais com os temas da sua escolha. E na adolescência então, as diferenças e os conflitos afloram. Teremos o estudioso/inseguro Randall, o galã/fútil Kevin e a carente Kate, sofrendo com a sua luta constante contra a obesidade.
No presente, temos um Randall casado com Beth, outra bela história de amor, pai de duas filhas, um executivo bem sucedido morando numa bela casa, só ele ficou em Pittsburgh. Kevin, um ator frustrado de um seriado de TV em busca de um lugar ao sol no cinema e Katy, como empresária/babá do irmão e lutando com seus fantasmas, mas que encontrará seu grande amor nos braços e nos sorrisos do incrível Toby, outra grande figura. Sabemos que o pai já faleceu há anos, mas só saberemos bem depois como foi a sua morte, não darei spoiler, vale ver  a cena.
Outro fato marcante da trama é a busca de Randall por seu pai biológico e ele o encontra para nossa felicidade.  William será uma das melhores personagens de toda a série. Aquele senhor, poeta, músico, maltrapilho, ex-viciado, em estado terminal, tem tanto a nos ensinar que nos surpreende em cada fala e gesto e você vai se apaixonar por ele também, assim como por seu filho e toda a sua família. Aliás, outro ponto alto da trama é a chance que foi dada para que cada personagem, principal ou secundária, se desenvolva plenamente e tenha seus próprios conflitos a elaborar diante de nossos olhos, tais como Tio Nick, Doutor K, Shauna, Malic e tantos outros.
Não seria capaz de elencar  quais cenas gosto mais, de tantas que chorei muito e de outras que ri demais...Há cenas de rara beleza como naquela em que Kevin larga o seu lançamento para socorrer o irmão em uma crise de pânico, quando Kevin vai ao Vietnã em busca da memória do pai e quando larga tudo para resgatar seu Tio Nick, o Alzheimer de Rebecca, as festas do Dia de Ação de Graças, os telefonemas a três, o casamento e formatura de Kate,  adoção de Deja, outra personagem de muita força.  Kevin que era considerado o mais frívolo dos três vai amadurecendo  e se transformando durante as décadas.
 Os Pearson e todos aqueles que têm a sorte de viver com eles  vão reelaborando seu passado para enfrentar o presente em meio a tantos temas importantes como racismo, música, cinema, guerra, sonhos, adoção, deficiências, drogas, alcoolismo, orientação sexual, amizade e fraternidade e muito, muito amor, pois essa família é  intensa e quente como são as grandes histórias de amor. Esses são eles, esses podemos ser nós também...This is us entra na lista de melhores narrativas da minha vida...E por falar em boas histórias de afetos já viram Modern Love?


3 comentários:

  1. Alana, você me indicou e eu assinei o Amazon Prime somente para assistir a essa série. Logo no primeiro episódio da primeira temporada, vi o quão bem investido, em minha alegria, fora ter feito a assinatura. A série fala, como bem disse no teu texto, de famílias que podem bem ser as nossas, e isso foi, talvez, a mola mestra do meu interesse em continuar, quase como um vício, vendo compulsivamente a série. Peço desculpas por não falar mais dos meu sentimentos frente à história, porque se assim o fizesse, daria spoilers, e perderia a graça e o imenso afeto que é assistir a This is us. Cheiros nas asas por ter me indicado este tão digno investimento. Ponto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, caríssimo amigo, tinha certeza que você gostaria. É uma história para pessoas sensíveis que sabem apreciar o movimento da vida e que para quem vem de famílias amorosas como as nossas ganha um sentido especial.

      Excluir
  2. Através de você e da sua escrita aqui no blog, muita gente pode se engajar na leitura de livros e filmes, de tantas narrativas bacanas... obrigada por oferecer mais um caminho para a leitura, amiga!

    ResponderExcluir