Instagram

https://www.instagram.com/entretelasblog/

sábado, 10 de abril de 2021

Amor de MÃE: A ficção atravessada pela inverossimilhança da vida

 

A novela Amor de Mãe, que ontem se findou, será marcada pelo atravessamento surreal da pandemia em nossas vidas e seus desdobramentos na ficção. Iniciada no final de novembro de 2019, foi interrompida em março de 2020, retomada um ano depois para ser concluída da forma mais breve possível em razão das circunstâncias impostas para sua gravação e que consagra Manuela Dias, sua jovem autora, no time de ouro das nossas novelistas na esteira de Janete Clair, Glória Perez e cia.

             A novela é uma obra aberta e vai sendo feita ao sabor de diversas variáveis. Os autores sabem como começam seus primeiros capítulos, mas só têm uma vaga ideia de como terminará. Nessas variáveis entram, por exemplo, a aceitação do público que faz uma subtrama crescer ou minguar, uma personagem secundária se destacar ou as próprias intempéries da vida, como a doença ou morte de um ator, mudar o rumo, mas com a variável pandemia, ninguém, nem na arte, nem na vida, podia prever. E foi esse o desafio que se apresentou e que atravessou a novela das 21h, das 9h que já foi das 8h, a mais vista e desejada da nossa TV. E aguardamos um ano para ter o desfecho do mote principal, o reencontro de Lurdes com Domênico, seu filho vendido aos dois anos de idade. Fato central que fazia com que as outras duas protagonistas, Telma e Vitória, orbitassem ao seu redor até que suas histórias se cruzassem.

A grande cena do encontro de Lurdes com Domênico/Danilo já nasceu antológica, certamente entrará para a galeria da nossa teledramaturgia como uma das mais belas e emocionantes. O momento tão esperado foi marcado por diversos símbolos potentes, desde o altar possível construído por Lurdes para continuar rezando por seus filhos, à revelação da Graça da saída do cativeiro pela Pomba, formando uma trindade nova Mãe, Filho e Espirito Santo.

O encontro na estrada merece nossa atenção especial, a mãe que buscou o filho por 27 anos é que foi encontrada por ele. Sem saber quem estava procurando, o filho achou aquela que já estava velando por ele. A estrada empoeirada, semelhante ao espaço onde toda a busca começou, volta à cena, acrescida de trilhos abandonados, uma metáfora do curso de uma vida que foi interrompido e, no momento magistral do abraço e do reconhecimento através do cheiro na cabeça do filho, a mesma estrada deu ré para recuperar o tempo do amor perdido. Além dos símbolos, a interpretação dos atores foi visceral, Lurdes/Regina Casé tornou-se, nesse momento de desalento que vivemos, uma espécie de mãe arquetípica de todos nós (“Sua mãe está aqui” seu brado retumbante). Já Domênico/Chay Sued honrou toda a espera e a angustiada sequência da procura com a maestria de um grande ator que fala através dos olhares, dos silêncios, dos soluços e do texto forte (Onde estava Deus?) que brotava de sua voz rouca, típica das emoções que nos atravessam a alma. E a música Onde estará o meu amor?,  de Chico Cezar cantada por Maria Bethânia, coroou o momento ( A noite findou e o sol rebrilhou sobre eles).

Daí em diante a alegria dos reencontros com os filhos/irmãos, naquela grande família cheia de problemas, mas unida nas horas boas e ruins. Ao chegar no quintal da casa de sua nova mãe, o filho reencontrado e tentando matar Telma dentro dele, pergunta para Lurdes sobre o ninho do passarinho, outra imagem do aconchego que teria naquela casa e sobre o que fazer com aquele sentimento que lhe esmagava o peito. Dentre uma das falas de Lurdes nesse reencontro ela disse: “O tempo é rei, o tempo cura tudo, não existe família perfeita, existe família unida”. Aliás, as frases sábias de Lurdes mereciam um compêndio, filosofia condensada dessa mãe tão brasileira que nos faz rir e chorar!

Ainda vale destacar outras simbologias interessantes nessa retomada da trama. A psicopatia revelada em Telma foi acompanhada das imagens internas de sua casa, corredores, portas, gavetas, pastas, papeis guardados, que aludem aos seus labirintos internos. Adriana Esteves brilha em qualquer personagem na comédia ou no drama ela reina soberana.

 A morte de Álvaro, o gigante Irandhir Santos, de tão boa atuação que a gente ainda sente empatia por ele, como ele mesmo disse "sem arqui-inimigo não tem herói", também foi rica em imagens. Se arrastou até a cadeira da presidência, marca de sua ambição, e morreu porque foi buscar mais dinheiro que como já fora dito era o móvel de sua vida, poço de seus vícios e no amor por Verena sua única virtude. Ele era a marca da corrupção predadora na trama. Sua construção nos remete à máfia italiana com seus ternos elegantes e gostos refinados, inclusive sua trilha sonora é a ópera Mio Babbino Caro de Puccini. Através dele, tivemos Davi, o quixotesco ativista ambiental, que teve um belo fim, discursando na ONU, gotas de esperança que a ficção nos dá.

Pela própria economia narrativa e penso que pela necessidade de tratar de diversos temas em pouco tempo, houve algumas passagens que julgo desnecessárias, mal resolvidas ou que traíram a verossimilhança buscada.  A luta corporal e o discurso de Vitória com o agressor da esposa no meio do mato, a morte de Lucas, a saída dos pacientes da UTI em aparência tão saudável, a inserção da mãe biológica de Tiago, mas paro aqui, porque os acertos foram bem maiores e não abalaram em nada o brilho do final.

Sem esquecer de personagens que cresceram muito e se modificaram durante a trama como Penha e Leilinha Pé na cova Gratiluz que foram se destacando até formar o casal de contraventoras simpáticas que acabamos perdoando ou Lídia, que encontrou no verdadeiro amor por um homem simples, uma razão para recomeçar sem perder o charme o esnobismo dos herdeiros. Aliás, Magno merecia a menção honrosa Amor de Pai, de filho e de irmão. Sandro, outro exemplo de força interpretativa e caráter ambíguo, oscilando entre seus dois mundos, opta pelo segundo, sem deixar para trás os amigos antigos.

O final... As três protagonistas juntas no leito de morte de Telma, discutindo suas culpas e seus perdões e a consciência da mão do destino que age impiedosamente sobre nós surgiu em diversos diálogos (se Domênico não fosse vendido, não existiria Camila, se Sandro não fosse o primeiro a ser vendido... E  aí por diante na estrada sinuosa da vida). E o perdão de Danilo que foi ministrar a extrema-unção, o perdão para que Telma pudesse partir. Como em sua fala que bom seria se as mães não errassem nunca e fossem perfeitas, mas como isso não é possível, ficamos com Lurdes marcando os copos com esmalte para seus filhos e todos juntos se sacaneando com todo respeito, como ocorre nos encontros das famílias imperfeitas e que se amam...


Teria muito mais a dizer tão grande era o meu desejo de voltar às Entretelas em um ano que só tivemos reprises em meio à barbárie lá fora. Não posso terminar sem falar do discurso esperançoso de Camila, Jéssica Ellen excelente em seu carrossel de emoções e provas, se Lurdes é nossa Mãe arquetípica, ela é a nossa Professora arquetípica. A que luta todos os dias por uma educação melhor e crê no seu poder de transformação mesmo em contextos tão adversos... Sim! A ficção também pode nos ensinar muita coisa e nos salvar por alguns momentos da brutalidade do cotidiano... Pena que foi tão rápido, mas o suficiente para ser inesquecível. E, assim como na novela, terminemos com Guimarães Rosa, pela boca do nosso Riobaldo, porque a vida é travessia e exige da gente coragem:

O correr da vida embrulha tudo, a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem. O que Deus quer é ver a gente aprendendo a ser capaz de ficar alegre a mais, no meio da alegria, e inda mais alegre ainda no meio da tristeza! Só assim de repente, na horinha em que se quer, de propósito – por coragem. Será? Era o que eu às vezes achava. Ao clarear do dia.

 

Sigamos segunda-feira com Império. Na falta do novo, redescobriremos a magia do já visto...

 

 

 

27 comentários:

  1. Maravilhoso! Sua leitura sensível e analítica enriquece a gente!

    ResponderExcluir
  2. Sempre me encantando com suas palavras. Sempre agregando um novo olhar ao meu olhar! Excelente!!!👏👏👏

    ResponderExcluir
  3. Perfeita sua tradução da novela ,Alana vindo de VC n podia ser diferente lendo e passando as cenas todas em minha cabeça ressaltando os detalhes quê deixamos deixamos passar despercebido e quê dos seus n escapam ....parabéns !!!

    ResponderExcluir
  4. Fantástico! Não creio que alguém possa dizer melhor sobre essa novela que eu também amei.

    ResponderExcluir
  5. Que texto! Sempre nos presenteando com sua percepção aguçada e com leveza de sua escrita. Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Alana sábia , nos encanta e nos faz ver além das cenas da novela

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Como sempre, ler seus textos é prolongar o prazer que sentimos ao assistir Amor de Mãe ou outra obra da teledramaturgia. Seu olhar amplia nossos sentimentos e percepções. Já estou com saudade da minha novela preferida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Ana. É um prazer saber que dividimos essa gosto...

      Excluir
  9. Parabéns Alana, excelente análise, fiquei com vontade de ver mais, pareceu tudo tão atropelado, claro que entendemos o motivo, sabemos o motivo, mas eu como fã desejei que se estendesse mais, já estou com saudades do elenco.

    ResponderExcluir
  10. Que análise, Alana! Meus olhos marejaram ao revisitar as cenas de outro modo pelos seus olhos. Obrigada por partilhar esse olhar sensível conosco!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Bela Marcela. Sua sensibilidade ajuda muito!

      Excluir
  11. Texto de excelência!Parabéns, Alana!Já aguardando os comentários da próxima!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, cara leitora. Esperamos que não tarde muito...

      Excluir
  12. Alana, eu não quero falar muito da novela, porque você já fez isso, com um estilete esferográfico preciso, por e para nós. Hoje, prefiro dialogar sobre essa tua expertise para nos dizer que as histórias são contadas para a alegria ou tristeza do mundo. No caso dessa, não por acaso alcunhada de Amor de Mãe, veio, literalmente, "para nossa alegria"...
    Alegria essa ampliada pelas tuas bem traçadas linhas nessas crônicas folhetinescas que escreves e faz chegar até nós, teus vampiros ávidos não só de sangue, mas de toda a novela que sai das mãos dos homens, ou melhor dizendo, das mãos gestantes - e só delas - dessas mulheres encantadoras de nós e de nós. Sim, sei que entendes o que escrevo.
    Vejo por aqui alguns comentários que dizem não acompanhar a novela, mas, depois de ler os teus textos postados aqui nesse espaço de crítica literária e magia, começam a assistir a trama do momento. Outros já dizem que tinha deixado de assistir, mas, quando da leitura dos textos, voltam correndo ao deleite que é acompanhar uma trama de novela, esse nosso pão de cada dia. Um pão fresco, doce por vezes, azedo de outras, mas pão nosso... pão brasileiro, sim senhora.
    Sentirei saudades de Amor de Mãe, de tuas crônicas sobre o amor das mães Lurdes, Telma, Vitória et al... Mas, sou homem que leio poesia, chegado aos poetas e poetisas, comendo seus escritos batidos no liquidificador sem água, batida seca como um bom Gin sem tônica alguma, mas de deixar ressacas ad aeternum, porque novela é fotografia
    viva guardadaa nas gavetas desarumadas por Vanusa em cada um de nós, sempre cheio de nós...
    Termino aqui, sem mais delongas, parafraseando Adélia Padrão, que diz mais ou menos assim:
    Ora, direis. Ora, digo eu. Ora, ora.
    Não quero contar histórias,
    porque história é excremento do tempo.
    Queria dizer-lhes é que somos eternos,
    Alana, Lurdes, Vitória, Telma, Eu e os manacás.
    Ponto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, que texto mais lindo. É sim responsabilidade da crítica recompor os textos para que melhor sejam lidos, e assim sigamos com nossas leituras permeadas de afeto, porque para apontar defeitos já tem quem o faça exaustivamente.

      Excluir
  13. Leia-se Adélia Prado*

    ResponderExcluir
  14. Ouvi de muitas pessoas que não gostaram do final da novela, apontaram o que consideraram "falhas" e, mesmo assim,ficaram até o final. Peço licença para enviar a todas a sua crônica perfeita. Como sempre, aliás. Lembrando e aplaudindo todas as outras mães da novela, como Leila, Lídia, Natália, Camila... Todas deram lição de que ser mãe não é uma receita certinha e infalível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssima, você é uma MÂE dessas! Sim, existem as mães ideais e as mães possíveis...Obviamente tivemos falhas sobretudo pelas condições de gravação impostas pela pandemia, mas ainda assim uma bela história foi contada para nosso deleite. Estou cansada de olhos que só buscam falhas...

      Excluir
  15. É o tipo de escrita que não queremos parar de ler. Quanta sensibilidade e ótimas observações. É linda a forma que consegue exprimir suas impressões sobre a novela!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Continuemos em diálogo leitor(a) desconhecido!

      Excluir