Instagram

https://www.instagram.com/entretelasblog/

domingo, 1 de dezembro de 2019

Amor de mãe ou o Rio de Janeiro para além dos cartões postais




Amor de Mãe estreou essa semana como grande promessa de restabelecer a qualidade narrativa do horário das 21:00h, depois de duas tramas que deixaram  a desejar (o gato miou e o bolo solou). Esse é o horário nobre da telenovela por excelência,  aquele que reúne milhões de pessoas em torno da tela para apreciar sua dose diária de ficção. Da autoria de Manuela Dias, inaugurando sua primeira novela depois de séries excepcionais como Justiça e Ligações Perigosas, aliás, o tom da primeira se faz presente com força na novela. Os primeiros capítulos cumpriram a expectativa e foram arrebatadores!

O tema escolhido, Amor de mãe, é universal e atemporal, atinge a todos de variadas formas. Será trabalhado a partir de três protagonistas, Lurdes, Telma e Vitória. Mulheres de classes sociais diferentes, mundos diferentes, mas que se unem no drama individual e coletivo do amor incondicional aos seus filhos. É interessante notar o cruzamento da tríade, como a trama conduz a ligação entre elas. Todas Mães-coragem (Brecht, a carroça) lutando pela felicidade de seus filhos, todas personagens ambíguas que borram o maniqueísmo tradicional. Embora sejam 3 protagonistas, Lurdes parece ser o fio condutor para a história. Regina Casé está brilhante no papel que alude a outras personagens já interpretadas por ela no cinema (Darlene de Eu, tu e eles e Val de Que horas ela volta?), traz consigo a força do drama, mas com aquelas notas precisas de comédia ( a cena do dinheiro na praia, a desconfiança à primeira vista de Raul) que nos fazem chorar e rir e torcer por ela, mesmo quando a linha da ética oscila em nome da proteção das crias.

Em pouco tempo já tivemos contato com cenas magistrais, como a reação de Lurdes ao descobrir  a venda do seu filho, a perda do bebê de Vitória e o discurso de formatura de Camila, professora de História, personagem simbólica pelo papel que ocupa e pelo momento atribulado que vivemos, e suas primeiras aulas em uma escola pública tendo que enfrentar a realidade dura de estrutura precária,  de alunos desmotivados e  de uma rajada de tiros, mas mesmo assim ela cantou e segue em frente e segura o rojão, podia perfeitamente ser uma cena de Segunda Chamada.

Vale destacar que a novela, na minha leitura, não tem três protagonistas, mas sim quatro. A quarta é a cidade do Rio de Janeiro com toda sua rede intricada de espaços e paisagens que os cartões-postais não mostram. Observem como há cenas externas, nas quais as ruas e suas figuras ganham vida sejam nos becos, sejam nos ônibus, sejam nas avenidas da Zona Sul. A trama traz uma geografia social externa e interna, mostra espaços abertos e o interior das casas, sejam nas mansões e ilhas ou nas casas inacabadas e apartamentos populares. E esses lugares determinam muito do tom de cada núcleo (a solidão de Lídia em sua mesa gigante e  corredores de sua mansão, a união da família de Lurdes em sua cozinha apertada onde todos se encontram todo tempo, o velho restaurante e a velha casa de Telma e seu apego ao passado). O espaço adquire feição de personagem e dialoga com a narrativa.

Muitos pontos altos merecem nota, a escalação de atores, o texto, os flashbacks sofisticados, o ritmo rápido,  a película de cinema, a tensão constante,  a trilha sonora diversa e escolhida com primor (de Fábio Junior a Aznavour passando por Bethânia e Gonzaguinha e cia, É foi também trilha de Vale Tudo!), os cenários, os intertextos (Gabriela contemporânea tira drone do telhado). Como foi já veiculado em entrevistas, na trama não há grandes vilões, a vilania está na própria vida com suas agruras diárias, há algumas personagens que encarnam o mal em algumas ações como Sinézio, Vera, ou o empresário ambicioso (Irandhir surpreendendo em um papel que nunca fez) mas que não chegam a serem os grandes opositores, essa estratégia traz um sopro novo para a teledramaturgia, assim como o fato de não termos um par romântico no centro do enredo.  É a vida, o destino e as condições sociais que costuram o bem  e o mal e as dores e delícias...De ser mãe e de ser humano... Sigamos com fé que  a gente não pode deixar de sonhar !!!




5 comentários:

  1. Não costumo acompanhar as novelas, mas sempre dou uma olhada quando alguém está assistindo. Ai aproveito para saber o que está acontecendo de real pelo país das maras maravilhas.
    O que me desperta interesse, mesmo, Alana, é o excelente nível das suas intervenções; essas capazes de fazer o público noveleiro perceber mais e melhor o mundo em nossa volta.
    Ainda bem que existem entretelas, título já rico e polissêmico.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, caríssimo Cid. Um elogio seu vale ouro com diamante! Lembro que no começo você resistiu ao objetivo do blog, recebo com alegria sua leitura refinada.

    ResponderExcluir
  3. Cresci com minha mãe acompanhando tooooodas as novelas, ai de quem fizesse barulho na sala! Kkkk por achar que essa programação roubava o meu tempo de partilha com a minha preciosa, desenvolvi uma certa aversão e não assisto. Porém, a partir do contato com os textos produzidos pela pró Alana começo a ter um tanto de interesse em assistir. Parabéns, pró, pela análise sóbria e envolvente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, cara leitora, bom saber dessa influência de meus textos em sua postura diante das tramas...Há muita coisa boa nelas!

      Excluir
  4. Já faz um tempo que não acompanho novela, mas ainda não perdi nenhum capítulo de amor de mãe. Tenho observado, para além das atuações, os cenários, as locações, é tão diferente de todas ostentações que a Globo sempre mostrou no horário nobre. Tomara que eu continue. Por enquanto estou gostando. A sua análise foi ótima.

    ResponderExcluir